Caldeira Cabral em entrevista ao El País: “Acabámos com a austeridade”

Numa entrevista ao jornal espanhol El País, o ministro afirmou que o Governo acabou com a austeridade em Portugal e recuperou a confiança dos investidores.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse em entrevista ao jornal espanhol El País que o Governo acabou com a austeridade em Portugal. “Libertámos a economia das amarras da austeridade. Acabámos com a austeridade e adotámos uma política moderada e responsável, devolvemos rendimentos a trabalhadores e pensionistas e assegurámos que os cidadãos não teriam mais cortes. Assim se recuperou a confiança dos portugueses e dos investidores”, afirmou.

Confrontado com as críticas da oposição de que os investidores se mantêm desconfiados, Caldeira Cabral muniu-se de números. Garante que “o trimestre fechou com um aumento do investimento na ordem dos 10%”, o que é uma “garantia de sustentabilidade do crescimento”. “Há 12 anos tínhamos um défice externo elevado, e hoje há um superavit na balança de bens e serviços graças às exportações que crescem a 9%, o maior ritmo da década, mais do que na Holanda e na Alemanha”, acrescentou o ministro.

O governante atribui também créditos às exportações como motor de crescimento económico, a par do turismo. Caldeira Cabral afirmou: “os motores são o investimento e as exportações, que são muito diversificados”. E indicou: “Ainda que se fale muito do turismo, a indústria agroalimentar, a do calçado, a têxtil e a automóvel têm aumentado bastante.”

Por fim, o Web Summit foi outro dos temas abordados na entrevista, com o ministro a elencar as mais-valias que o evento trouxe no espaço de um ano, como a instalação da incubadora britânica Second Home na capital portuguesa, a vinda de um centro de cibersegurança da Siemens para Portugal, e a Mercedes-Benz, que aqui tem o único centro de investigação para desenvolvimento da tecnologia dos carros sem condutor.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caldeira Cabral em entrevista ao El País: “Acabámos com a austeridade”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião