Moody’s também sorri à Brisa e melhora a perspetiva da dívida

  • Ana Batalha Oliveira
  • 5 Setembro 2017

A Moody's melhorou a perspetiva da Brisa Concessão Rodoviária, o braço da Brisa que detém 12 estradas incluindo a A1.

Após a subida da perspetiva da notação financeira de Portugal, a Moody’s estende a avaliação mais positiva à Brisa Concessão Rodoviária. Este braço da Brisa é responsável pelas doze principais autoestradas portuguesas. A empresa passa agora a ter um outlook “positivo” que melhora as hipóteses de subida do rating da empresa.

A decisão de melhorar o outlook da Brisa Concessão Rodoviária é influenciada pela perspetiva positiva que a agência dá ao rating de Portugal, reflexo das melhores condições económicas que reduzem o risco de default do país. A decisão da Moody’s sobre Portugal foi anunciada na passada sexta-feira, 1 de setembro.

O crescimento da economia portuguesa levou mais automóveis a cruzar as estradas da Brisa: na primeira metade de 2017, o tráfego aumentou em 6,8% após os aumentos de 7% em 2015 e 2016. Esta foi a melhor performance entre os operadores de autoestradas monitorizados pela Moody’s.

A agência de rating espera que a concessionária de autoestradas portuguesa “mantenha uma forte posição de liquidez”, reforçada recentemente por uma emissão de dívida realizada em maio. A procura superou dez vezes o montante de oferta.

A classificação atual tem em consideração fatores como a importância da rede de autoestradas Brisa no sistema de transportes português, a transparência regulatória e na concessão e a gestão financeira. Contudo, a exposição ao risco do país também pesa negativamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s também sorri à Brisa e melhora a perspetiva da dívida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião