SEF admite atraso de três meses nos vistos gold em Lisboa

  • Lusa
  • 5 Setembro 2017

Lisboa é a área com "maior pressão" e, por isso, o prazo máximo de espera é de cerca de três meses, esclareceu o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) rejeitou esta terça-feira que as Autorizações de Residência para Investimento (ARI) estejam bloqueadas, mas admitiu que na zona de Lisboa o tempo máximo de espera é de três meses.

O presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), Luís Lima, tinha dito à agência Lusa, que os processos dos ‘Vistos Gold’ “estão bloqueados” e que não é possível fazer marcações junto do SEF até novembro.

Na resposta à Lusa, o SEF rejeitou a ideia de que as aquelas autorizações estejam bloqueadas, mas admitiu que “os agendamentos para atendimento no SEF de investidores e familiares no âmbito de primeiro pedido de ARI e renovação, na área de Lisboa, que é a área de maior pressão, o tempo máximo de espera para atendimento é de cerca de três meses”.

Os postos de atendimento na Direção Regional do SEF em Lisboa (DRLVTA) estão “em pleno funcionamento e as vagas para agendamento para atendimento de investidores e familiares, para o mês de dezembro, na área de Lisboa, já estão disponíveis”, afirma a entidade. O SEF adianta que há “outros locais no país” onde o agendamento “é imediato”.

Ainda assim, a entidade garante que “tem havido um esforço continuado de redução dos prazos de agendamento e, brevemente, vão ser postas à disposição novas valências e metodologias de componente tecnológica e de telecomunicações com forte impacto expectável na redução desses prazos”.

Por exemplo, a partir de 12 de setembro, irá ser posta em prática, em projeto-piloto, a possibilidade de entrega de processos ARI da área de Lisboa noutras Direções Regionais e Delegações do SEF que não a de Lisboa, assegura o SEF. Os locais e procedimentos para o efeito serão divulgados no Portal do SEF, em www.sef.pt, no próximo dia 12, “permitindo uma maior desconcentração de agendamentos e instrução de processos”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SEF admite atraso de três meses nos vistos gold em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião