Suspeitas de corrupção nos jogos olímpicos no Rio de Janeiro

  • Lusa
  • 5 Setembro 2017

Em causa está a atribuição da organização da competição olímpica ao Rio de Janeiro em 2016.

A polícia brasileira anunciou esta terça-feira a abertura de um inquérito por corrupção à atribuição da organização dos Jogos Olímpicos de 2016 à cidade do Rio, com a possível compra de votos no Comité Olímpico Internacional (COI).

Segundo a TV Globo, a polícia fez buscas esta terça-feira de manhã na residência de Carlos Nuzman, presidente do Comité Olímpico brasileiro, no bairro carioca do Leblon.

Responsáveis da polícia judiciária brasileira, acompanhados de elementos das judiciárias francesa e norte-americana, dirigiram as buscas, à procura de provas de “compra de votos no âmbito da escolha, pelo Comité Olímpico Internacional, da cidade anfitriã dos Jogos Olímpicos de 2016”, segundo um comunicado da polícia.

A escolha do Rio de Janeiro foi decidida numa votação dos membros do Comité Olímpico Internacional realizada a 2 de outubro de 2009 em Copenhaga. Chicago, Madrid e Tóquio eram também candidatas à organização dos Jogos.

Um inquérito semelhante foi aberto em França pelo Ministério Público Financeiro (PNF). Documentos transmitidos pelas autoridades fiscais dos Estados Unidos à justiça de França, revelados pelo jornal Le Monde em março de 2017, indicam que a Matlock Capital Group, uma empresa que geria os interesses do empresário brasileiro Arthur Cesar de Menezes Soares Filho, pagou, três dias antes da votação, 1,5 milhões de dólares a uma empresa que na altura pertencia a um filho do presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) e membro do COI, Lamine Diack.

Menezes Soares Filho é próximo de Sérgio Cabral, antigo governador do estado do Rio de Janeiro (2007-2014), condenado a 14 anos de prisão por corrupção.

Comentários ({{ total }})

Suspeitas de corrupção nos jogos olímpicos no Rio de Janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião