Economistas da Fitch: Sondagens dão mais força ao PS para negociar Orçamento

A unidade de análise económica da agência de rating Fitch prevê que o PS ganhe o braço de ferro com o PCP e o BE no Orçamento do Estado para 2018.

Os números do Partido Socialista nas sondagens dão maior força negocial ao Governo perante os seus parceiros parlamentares. É esta a análise feita pelos economistas da BMI Research numa nota divulgada esta quarta-feira. A unidade da Fitch considera que a queda do Executivo fruto de uma disputa orçamental seria negativo para o PCP e o BE.

“Ainda que a pressão sobre os socialistas esteja a aumentar [greves como a da Autoeuropa, exemplificam], a posição forte que têm nas sondagens sugere que vão ter uma força negocial muito superior à dos seus aliados governamentais”, escrevem os analistas, referindo que as eleições autárquicas de dia 1 de outubro podem vir a dar uma “indicação concreta do apoio dos eleitores” ao PS.

Assim, os especialistas esperam que a estabilidade política continue “intacta” no processo de negociação do Orçamento do Estado para 2018. O relatório assinala a subida de Portugal no índice de risco político, aproximando-se da média da zona euro e superando os valores do anterior Governo. Depois da fase de maior instabilidade, entre novembro de 2015 e novembro de 2016, o atual Executivo está agora numa fase de menor risco, segundo o gráfico da BMI Research.

O Partido Socialista desafiou a maioria das expectativas de instabilidade e fraqueza, mantendo-se bem posicionado para governar até à realização das próximas eleições“, afirma a BMI Research, assinalando a subida nas sondagens de 32% de votação em 2015 para 42% em julho e agosto deste ano. Os economistas referem que esta subida penalizou tanto o PSD e o CDS como o PCP e o BE.

A posição forte que têm nas sondagens sugere que vão ter uma força negocial muito superior à dos seus aliados governamentais.

BMI Research

Unidade da Fitch

O relatório admite que existe “tentação” para o Governo pedir eleições antecipadas e ganhar mais lugares no Parlamento, “uma vez que a economia não irá melhorar muito mais”. Além de prever que o PIB não vá acelerar mais, a unidade da Fitch refere alguns pontos de tensão na atual solução governativa: a época de incêndios, a onda de demissões e as greves como a da Autoeuropa.

Já esta terça-feira, a unidade de análise económica da Fitch tinha alertado que o emprego vai deixar de contribuir tanto para o PIB como até agora. Apesar de ter revisto em alta o crescimento económico para 2017 e 2018, a BMI Research estima que o PIB desacelere se a produtividade do país não começar a crescer.

Neste momento, o Governo está a negociar o Orçamento do Estado para 2018 com o PCP, PEV e BE, cujo documento final deverá ser entregue a 13 de outubro. Os parceiros parlamentares do Executivo exigem várias medidas de devolução de rendimentos, nomeadamente através de várias alterações nos escalões do IRS — o Governo já prometeu alívio fiscal para 1,6 milões de euros de agregados. Outro dos fatores de instabilidade é o tema das cativações onde o BE pode juntar-se à direita para criar problemas à execução orçamental de Mário Centeno.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economistas da Fitch: Sondagens dão mais força ao PS para negociar Orçamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião