Impresa sob pressão: dona da SIC cai 10%

Os títulos do grupo de media de Francisco Pedro Balsemão continuam a ser penalizados na bolsa com a compra da TVI e a decisão da venda ou fecho das revistas. Títulos terminaram a sessão a cair 10%.

O grupo Impresa, que detém a estação televisiva SIC, esteve sob especial pressão esta quarta-feira. Com pouco mais de 110.000 ações transacionadas (abaixo da média diária de meio milhão de títulos a trocarem de mãos), as ações da companhia de Francisco Pedro Balsemão arrancaram a sessão a derrapar perto de 5%. As perdas entretanto alargaram-se, com as ações da empresa de media a encerrarem a sessão com um tombo de 10%, para os 32,20 cêntimos.

Esta foi a terceira sessão consecutiva de perdas para o grupo de media português e a pior sessão desde 25 de julho, um deslize que aconteceu no seguimento do falhanço de uma emissão de 35 milhões de euros em obrigações que serviria para refinanciar a dívida da empresa. Mais recentemente, o título voltou a estar novamente sob pressão, quando os mercados negociaram face à notícia de que o grupo quer vender ou encerrar a maioria das revistas que detém, incluindo a Visão, ficando de fora apenas a Caras e o semanário Expresso, assim como os projetos na internet.

Desde o anúncio da compra da concorrente TVI pela Altice, as ações atingiram um pico de 47,8 cêntimos a 29 de julho. Desde então, a Impresa soma já uma desvalorização de mais de 40%. O dossier da compra da TVI está na posse da Autoridade da Concorrência, que já pediu um parecer à Entidade Reguladora para a Comunicação Social, que tem o poder de chumbar o negócio. A Impresa já se fez constituir parte interessada no processo.

Cotação das ações da Impresa na bolsa de Lisboa

(Notícia atualizada às 9h07 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impresa sob pressão: dona da SIC cai 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião