Ministério Público está “a acompanhar a situação” da Yupido

A PGR confirmou ao ECO que está "a acompanhar a situação" no que toca ao aumento de capital multimilionário da Yupido. Depois, vai avaliar o que fazer.

O Ministério Público (MP) está “a acompanhar a situação” da Yupido para decidir o que fazer acerca do insólito aumento de capital de 28,8 mil milhões de euros, disse a Procuradoria-Geral da República (PGR) em resposta enviada ao ECO.

“O MP encontra-se a acompanhar a situação, com vista a decidir qual o procedimento mais adequado no âmbito das suas competências”, lê-se numa nota enviada por email, depois de questionada se estão a ser feitas diligências para apurar a existência de alguma irregularidade no valor.

O MP encontra-se a acompanhar a situação, com vista a decidir qual o procedimento mais adequado no âmbito das suas competências.

Procuradoria-Geral da República

Fonte oficial

A informação da PGR surge em linha com as informações que já tinham sido avançadas pelo Expresso [acesso pago] de que a Polícia Judiciária também está “a analisar” a mesma situação. As autoridades estarão a avaliar se existe matéria de facto que justifique uma investigação à empresa portuguesa.

Esta sexta-feira, o ECO avançou também o ministério das Finanças, que tutela a Autoridade Tributária, invocou “sigilo fiscal” para não informar se está ou não a investigar o aumento de capital da Yupido. “O Ministério das Finanças não se pode pronunciar sobre a situação contributiva de pessoas individuais ou coletivas em concreto por uma questão de sigilo fiscal”, disse ao ECO fonte do gabinete.

A Yupido é uma empresa que ainda não tem operações nem empregados. No ano passado, realizou um aumento de capital de cerca de 240 milhões para 28,8 mil milhões de euros, tornando-se a empresa com o maior capital social em Portugal, o equivalente a duas vezes a Galp Energia em valor de mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público está “a acompanhar a situação” da Yupido

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião