Fisco invoca “sigilo fiscal” no caso da Yupido, a empresa dos 29 mil milhões

Em resposta ao ECO, o Ministério das Finanças refere que "não se pode pronunciar sobre a situação contributiva" da Yupido. Polícia Judiciária está "a analisar" a empresa.

O Ministério das Finanças, que tem a tutela da Autoridade Tributária (Fisco), invoca “sigilo fiscal” para não informar se está ou não a investigar a Yupido pelo aumento de capital multimilionário que a empresa realizou no ano passado, através do qual passou a ser avaliada em 28,8 mil milhões de euros.

Contactado pelo ECO sobre se o Fisco estaria a investigar a empresa ou a desenvolver diligências para apurar a legitimidade do valor, fonte do ministério de Mário Centeno afirmou apenas: “O Ministério das Finanças não se pode pronunciar sobre a situação contributiva de pessoas individuais ou coletivas em concreto por uma questão de sigilo fiscal.”

O ministério das Finanças não se pode pronunciar sobre a situação contributiva de pessoas individuais ou coletivas em concreto por uma questão de sigilo fiscal.

Ministério das Finanças

Fonte oficial

Esta notícia surge um dia depois de uma fonte da Polícia Judiciária ter dito ao jornal Expresso [acesso pago] que as autoridades estão a “analisar” a situação para perceber se há indícios ou suspeitas que justifiquem uma investigação criminal.

Ao Dinheiro Vivo, Francisco Mendes, porta-voz da empresa, garantiu esta quinta-feira a “origem legal” do numerário envolvido, que andará à volta dos 243 milhões de euros, de acordo com um relatório e contas de 2016, a que o ECO teve acesso. O restante montante que perfaz os 28,8 mil milhões de euros de capital é, como o ECO avançou em primeira mão, o valor do “ativo intangível” no qual a empresa assentou o insólito aumento de capital, que é descrito como uma “plataforma digital inovadora” de media que se distingue “pelos algoritmos que a constituem”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco invoca “sigilo fiscal” no caso da Yupido, a empresa dos 29 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião