Ursos atacam BCP. Ações caem 20% desde o máximo

O banco liderado por Nuno Amado continua a perder valor em bolsa. Afunda mais de 20% desde o último máximo, entrando em "bear market". E os abutres festejam. Estão a ganhar milhões.

O “mercado atravessa um período particularmente difícil”. A frase é de Gabriela Figueiredo Dias, a presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), utilizando-a para contextualizar o comportamento negativo do Banco Comercial Português (BCP) em bolsa. Mas se o momento é difícil, para o banco liderado por Nuno Amado está ainda mais complicado. Queda após queda, os títulos estão já abaixo dos 20 cêntimos, acumulando uma queda de mais de 20%. Os ursos tomaram conta do BCP.

Foi a 13 de julho que os títulos do banco atingiram o último pico em bolsa. Depois de uma queda ligeira no arranque do ano começou a recuperação que levou as ações a praticamente duplicarem de valor em seis meses. Uma escalada que trouxe, no verão, a correção. “A queda na cotação do BCP poderá refletir uma correção, após a forte subida desde os seus mínimos de fevereiro de 2017”, diz Albino Oliveira, gestor da Patris Investimentos. Depois de chegar aos 25,88 cêntimos, o BCP afundou até aos 19,76 cêntimos, um mínimo de abril.

Os títulos do banco têm vindo a ceder dia após dia (com a liquidez a disparar). Baixaram dos 20 cêntimos (terminaram a última sessão nos 19,95 cêntimos), elevando para 22,91% a queda no espaço de apenas um mês e meio, entrando no que nos mercados financeiros se designa por “bear market”. Uma descida expressiva que arrasou com 887 milhões de euros da capitalização bolsista da instituição, levando o valor de mercado a baixar da fasquia dos três mil milhões. Se cair mais arrisca ser ultrapassado pela Nos (2.740 milhões de euros).

BCP sob pressão. Já chegou a valer menos de três mil milhões

Além da correção, a pesar nas cotações do banco está, segundo os analistas, também o interesse na unidade polaca do Deutsche Bank. Pode estar a “deixar os investidores receosos quanto ao impacto nas contas do banco”, uma vez que a instituição vai desembolsar dinheiro quando “ainda não terminou a fase de estabilização financeira”, explica Paulo Rosa, trader do Banco Carregosa. É uma operação que pode ser “um constrangimento à distribuição de dividendos a partir de 2018/2019”, nota Pedro Lino, da Dif Broker.

Abutres aplaudem…

A “única forma de ter uma sustentabilidade a longo prazo é apresentando resultados e uma evolução favorável”, diz Nuno Amado, confrontado com as quedas recentes em bolsa. “É para isso que estamos a trabalhar”, remata o presidente executivo do BCP. Mas os investidores não parecem estar totalmente convencidos de que o banco conseguirá atingir as metas a que se propôs, nomeadamente em termos de resultados. E os abutres agradecem. Estão a ganhar dezenas de milhões de euros.

O banco sempre foi o alvo preferido dos especuladores na bolsa nacional. E continua a sê-lo, agora mais do que nunca: a percentagem do capital do BCP que está nas mãos de investidores que procuram ganhar com a queda das ações (através da chamada estratégia de short selling) atingiu recentemente um recorde de 3,79%, de acordo com os dados compilados pela CMVM. A AQR Capital Management tem a maior “fatia”: 1,4%.

…bolsa treme (bastante)

A queda do BCP pesa na carteira dos seus acionistas (apesar de fazer sorrir os especuladores), mas também na de outros investidores na bolsa nacional. É que o banco liderado por Nuno Amado é um dos títulos que maior peso tem na ponderação do índice de referência português, o PSI-20, o que faz com que o mau desempenho dos títulos leve muitas vezes a uma queda da praça lisboeta. A correlação entre o BCP e o PSI-20 é, segundo a Bloomberg, de 0,57, sendo 1 uma correlação perfeita.

No acumulado desta semana, o BCP apresenta uma desvalorização de mais de 11%, queda que leva o PSI-20 a apresentar uma descida de 4,6%, a maior semanal desde julho, levando o índice a tocar mínimos de maio. Apesar da queda, a bolsa continua com um saldo positivo de 8,45% desde o início do ano, assim como o BCP, que ganha 8,15%. É, ainda assim, um dos piores desempenhos entre as 19 cotadas do PSI-20.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ursos atacam BCP. Ações caem 20% desde o máximo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião