Dividendos no BCP no próximo ano? “Seria muito bom”, diz Sonangol

  • Rita Atalaia
  • 30 Maio 2018

A Sonangol, o segundo maior acionista do BCP, está satisfeita com a evolução do banco. Mas quer mais, incluindo o pagamento de dividendos.

A Sonangol está satisfeita com a evolução do BCP. Mas pede mais. O representante da empresa no banco, Carlos Saturnino, afirma, após a assembleia-geral de acionistas que elegeu a nova administração, que espera que o banco dê um salto e alcance resultados “melhores e maiores” de maneira a começar a devolver dividendos aos investidores.

“Seria muito bom. Até se fosse este ano”, refere Saturnino questionado à porta da assembleia-geral de acionistas do BCP sobre a possibilidade de a instituição financeira vir a devolver os retornos. O representante da Sonangol pede, por isso, que o banco continue numa reta de recuperação da rentabilidade.

“Para o ano esperamos que, no fim deste exercício, os resultados sejam melhores e maiores. E, pelo que estamos a ver, a tendência caminha para tal”, nota Carlos Saturnino, mostrando-se otimista em relação à evolução das contas da entidade.

Miguel Maya, o novo CEO do BCP, vê este pedido do acionista com normalidade. “A Sonangol teve um papel muito importante na estabilização do banco”, por isso é “normal que os acionistas que fizeram esse esforço peçam mais”, refere o gestor à saída da assembleia-geral.

Quanto à possibilidade de a Sonangol vir a reforçar a participação no BCP, a Sonangol refere que isso não está neste momento em cima da mesa. “Essa decisão não está tomada. A própria Sonangol está num programa de regeneração. Com base nisso, vamos adaptar a estratégia”, afirma.

Foi no final do ano passado que a Sonangol deixou expirar o prazo para reforçar a posição acima dos 20%. “Estamos satisfeitos por sermos a segunda força. Isso não é mau”, diz o representante da empresa. A Sonangol tem, neste momento, 19,49% no capital do BCP, enquanto a Fosun, o maior acionista, tem 27,06%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dividendos no BCP no próximo ano? “Seria muito bom”, diz Sonangol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião