Nuno Amado considera que o sistema bancário está mais equilibrado, resiliente e forte

  • Lusa
  • 3 Maio 2018

O presidente da Comissão Executiva do Millennium BCP defendeu esta quarta-feira que “grande parte dos desafios” que existiam no início da crise estão resolvidos.

O presidente da Comissão Executiva do Millennium BCP, Nuno Amado, considerou na quarta-feira que o sistema bancário está “muito mais equilibrado, resiliente e forte” e mais bem preparado para apoiar a Economia portuguesa.

“O sistema bancário está hoje em dia bastante mais forte e muito mais resiliente do que estava quando tivemos a crise passada, porque quando entramos na crise, o sistema bancário e alguns dos bancos tinham um défice de capital, um problema de equilíbrio de balanço e um nível ou qualidade de crédito que se veio a provar que não era exatamente a que devia ser”, disse, durante a abertura do lançamento da 2.ª edição dos prémios Millenium BCP Horizontes, no Porto.

Nuno Amado defendeu que “grande parte dos desafios” que existiam no início da crise estão resolvidos, havendo hoje rácios de capital muito mais fortes, um nível de depósitos mais equilibrado com o nível de crédito e uma carteira de crédito mais bem estruturada, lembrando, contudo, que existem restrições, “como em tudo”.

A banca está mais bem preparada e o BCP está mais bem preparado para apoiar a Economia, sendo necessário haver mais investimento, frisou.

“O país precisa de investimento, podemos ter um crescimento significativo durante uma fase com investimento menor, mas se quisermos ter um crescimento sustentado temos de aumentar o investimento”, salientou.

Sublinhando que é importante haver investimento público e privado, o presidente da Comissão Executiva acredita, no entanto, que o setor privado tem de ser o motor, acrescentando que conta “com os empresários portugueses para reforçarem o investimento”, pois, “com isso o país manterá um nível de sustentabilidade com o modelo de crescimento atual”.

Sobre a apresentação dos resultados do primeiro trimestre, agendada para segunda-feira, Nuno Amado explicou não poder avançar dados, frisando apenas que o BCP está numa “caminhada progressiva” com coisas boas e menos boas.

“Hoje temos rácios de capital mais fortes e estamos a captar clientes, o que já não fazíamos há muitos anos numa dimensão significativa. O primeiro trimestre tem números interessantes, o número de depósitos é maior que o montante de crédito”, afirmou.

O BCP está a fazer bem o trabalho de casa e “esta cá” para apoiar a economia, asseverou.

“Posicionamo-nos como o banco privado de base portuguesa que tem um conjunto de acionistas diversificados, mas temos duas ou três características claras, somos de base portuguesa, consolidamos em Portugal, temos uma base de acionistas em Portugal que mais nenhuma tem e temos esta proximidade aos clientes”, terminou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nuno Amado considera que o sistema bancário está mais equilibrado, resiliente e forte

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião