Gas Natural já abordou António Costa sobre fusão com EDP

A Gas Natural quer reforçar a sua presença europeia e está a olhar para a EDP. A companhia espanhola já abordou os acionistas chineses, mas também esteve em Lisboa para falar com António Costa.

A Gas Natural está à procura de um parceiro para criar um gigante ibérico. Uma das alternativas é a elétrica portuguesa EDP. Isidro Fainé, presidente da empresa espanhola, contactou o maior acionista da EDP, a China Three Gorges, numa viagem à China, numa tentativa de perceber que opções tem em cima da mesa, revelou esta quarta-feira o Expansión. Mas não só. O ECO sabe que Fainé esteve em Lisboa, há algumas semanas, para um encontro com António Costa. O objetivo foi convencer o governo português das virtudes de uma fusão entre as duas companhias.

A EDP é a mais forte oportunidade para o crescimento da Gas Natural e, por isso, Isidro Fainé — há um ano como presidente da empresa — está há meses a avaliar esta oportunidade. Em julho, foi avançada a possibilidade de uma fusão entre as duas empresas, mas ambas as empresas negaram os rumores. À data, o ECO confirmou os contactos. Também agora, contactada, a Gas Natural Fenosa rejeita a existência de contactos tendo em vista uma fusão. E a EDP também não fez comentários.

Mais recentemente, o líder da empresa espanhola, que é controlada pelo grupo La Caixa (dono do BPI), esteve, então, em Lisboa e trouxe uma proposta para responder aos previsíveis obstáculos políticos de uma fusão que seria, na prática, uma absorção da EDP. Segundo apurou o ECO, com a intervenção direta de Artur Santos Silva, Fainé encontrou-se com o primeiro-ministro e propôs que, após a fusão, a sede da EDP Renováveis, agora em Madrid, passasse para Lisboa, enquanto a sede da nova empresa fusionada assentaria arraiais em Barcelona, e com um presidente executivo português no primeiro mandato. António Mexia é, claro, o nome que está em cima da mesa. E, segundo o ECO apurou, o gestor vê esta operação com bons olhos.

Oficialmente, não há comentários. António Costa não terá assumido qualquer posição em relação ao negócio, até porque a EDP é hoje privada e tem pelo menos dois acionistas de relevo: os chineses da China Three Gorges e o fundo americano Capital Group.

Esta quarta-feira, o jornal Expansión (conteúdo em espanhol) avançou que Isidro Fainé já teve reuniões com os chineses, um acionista que será mais difícil de convencer do que o americano. A CTG entrou na EDP para fazer, a partir de Portugal, o centro de uma empresa internacional, particularmente na área das renováveis.

O ECO sabe também que os máximos responsáveis da CTG estiveram em Lisboa há duas semanas, para encontros com o primeiro-ministro e também com o Presidente da República. A questão do negócio com a Gas Natural dominou os encontros, mas também a renegociação dos chamados CMEC, as rendas consideradas excessivas que garantem os preços da EDP.

O que resultaria de uma fusão (leia-se absorção) das duas companhias? A empresa que resultar da fusão entre EDP e Gas Natural pode fixar uma avaliação de mercado de cerca de 31 mil milhões de euros, saltando diretamente para o quarto posto entre as maiores utilities do Velho Continente, de acordo com a soma das atuais capitalizações das duas empresas. Ficaria à frente da francesa EDF, cujo valor de mercado está nos 27,6 mil milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gas Natural já abordou António Costa sobre fusão com EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião