Bateria, OLED e Lisboa. A que sabem as novidades da Apple?

Visto em detalhe, o evento da Apple teve pouca novidade. Muitas das novas tecnologias já existiam no mercado. Mas foi bom ver a Apple a lembrar-se do "belo Portugal".

O iPhone X trouxe novidades, mas a maioria já chegou ao mercado pelas mãos de outras marcasApple/D.R.

O evento da Apple foi interessante, mas não trouxe novidades excitantes. Apesar do entusiasmo à volta do iPhone X, a marca não introduziu nada que não existisse já no mercado. Aliás, este topo de gama deve ser visto à luz do stock muito limitado que se antevê para esta primeira fase — vai ser difícil de o encontrar. Ao mesmo tempo, existem dúvidas de que os iPhones 8 e 8 Plus sejam capazes de fazer os fãs largarem os modelos anteriores. Mas nem por isso deixou de ser um evento digno de cobertura.

Desde logo, porque a Apple voltou-se para Lisboa quando quis mostrar as câmaras do iPhone. Apresentou o Bairro Alto e uma foto da Ponte 25 de Abril. E foi o suficiente para pôr borboletas no estômago dos muitos portugueses que assistiam ao evento (incluindo o autor deste artigo). Mesmo que, momentos antes, a empresa tenha anunciado que o novo Apple Watch vai poder ligar-se à rede móvel, a grande novidade do relógio, para dizer depois que só chegará “ao belo Portugal” uma versão mais barata e sem essa função.

Mas falemos dos novos iPhones. Para começar, os rumores voltaram-se a confirmar quase todos. O iPhone 8 terá um ecrã IPS LCD de 4,7 polegadas e câmara de 12 MP com suporte para filmagens em qualidade Ultra HD (4K). Inclui o botão Home com leitor de impressões, tal como o irmão maior, o iPhone 8 Plus. Este último terá um ecrã de 5,5 polegadas com duas câmaras traseiras de 12 MP cada, com melhorias técnicas em relação ao modelo anterior. Os novos iPhones terão ainda áudio stereo, recorrendo ao auscultador de chamadas para emitir som. Passam ainda a suportar carregamentos sem fios, uma tecnologia conhecida por inductive charging, a que a Apple chama agora de Air Power.

Os novos iPhones trarão também o processador A11 Bionic, com seis núcleos. Este será ainda um processador com tecnologia neuronal e terá um núcleo adaptado à inteligência artificial e ao machine learning. Espere um telemóvel bem mais inteligente e capaz de adivinhar o que quer antes mesmo de pedir. Quanto a armazenamento, os iPhones 8 e 8 Plus existirão em versões de 64 e 256 GB, variando no preço. O iPhone 8 começa nos 699 dólares, enquanto o iPhone 8 Plus custará a partir de 799 dólares. Chegam às lojas a 15 de setembro.

As verdadeiras novidades chegam só com o iPhone X e, mesmo assim, apenas no universo Apple. É um telemóvel de marca Apple mas com um desenho diferente de tudo o que a empresa lançou até hoje. O ecrã quase não tem margens e, por isso, é ligeiramente maior: tem 5,8 polegadas. A diferença está na tecnologia, porque é um ecrã OLED. Se tem um iPhone, vai notar a diferença nas cores, que serão bem mais vivas e naturais do que o habitual.

Isto se conseguir pôr as mãos num. Segundo o analista Ming-Chi Kuo da KGI Securities, conhecido pelas suas fontes na cadeia de fornecedores da Apple, só estarão a ser produzidas 10.000 unidades do iPhone X por dia — dará cerca de um milhão de unidades por trimestre, segundo a Business Insider. E isso é muito pouco para o nível de procura que a Apple costuma ter.

Oferta à parte, até porque a Apple poderá acelerar o passo entretanto, conte com uma nova tecnologia de reconhecimento facial para substituir o Touch ID e o botão Home. Na parte da frente, o iPhone X terá uma câmara para selfies e uma câmara de infravermelhos, que detetará o rosto do utilizador para desbloquear o telemóvel ou fazer pagamentos. É segura, garante a marca. Mas não é segura se tiver um gémeo, confessou a empresa. O iPhone X contará ainda com maior capacidade de bateria (até duas horas extra) e terá versões de 64 e 256 GB de armazenamento, com 3G de memória RAM, tal como o 8 Plus. Já o iPhone 8 terá apenas 2 GB. O preço começa nos (prepare-se) 999 dólares. As vendas arrancam mais tarde, a 27 de outubro.

A par do relógio e dos telemóveis, a Apple anunciou a chegada do 4K ao serviço Apple TV, para todos os atuais utilizadores. Falou também de uma placa indutora para carregamentos sem fios, que só chega no ano que vem e permitirá carregar tudo de uma vez: um smartphone, um relógio e os Air Pod, os auscultadores sem fios que a marca apresentou no ano passado e que também receberam aperfeiçoamentos esta terça-feira.

Contas feitas, talvez a grande novidade da Apple neste evento tenha sido ao nível do software. O iOS ainda é o grande elo entre os utilizadores e o iPhone, por ser mais intuitivo e dinâmico. Os novos iPhones virão com a versão 11, que trará também novos emojis animados: com a câmara de infravermelhos, vai poder animar as figuras com o seu rosto e enviá-las aos contactos. Esta já foi eleita a grande novidade, a avaliar pelo feedback nas redes sociais.

Sondagem: iPhone X vs. Galaxy S8

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bateria, OLED e Lisboa. A que sabem as novidades da Apple?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião