Veículos a gasóleo são mais poluentes que os a gasolina

  • Lusa
  • 18 Setembro 2017

Se tem um veículo a gasóleo, saiba que poderá estar a dar um contributo maior para as alterações climáticas do que com um veículo a gasolina. A conclusão é de um estudo europeu.

Os casos a gasóleo são piores para as alterações climáticas, não só poluindo mais como também emitindo mais gases com efeito de estufa do que os carros a gasolina, segundo um estudo hoje divulgado.

A Federação Europeia de Transportes e Ambiente fez uma análise do ciclo de vida dos carros a gasóleo e dos carros a gasolina e comparou as emissões de dióxido de carbono (CO2).

Esta análise da Federação, a que pertence a associação ambientalista portuguesa Zero, conclui que há um maior impacto climático do gasóleo.

Esse maior impacto deve-se ao processo de refinação deste combustível, que tem um uso mais intensivo de energia, e ainda à necessidade de utilizar mais materiais na produção de motores mais pesados e complexos.

Também contribui para um maior impacto climático o facto de haver emissões mais elevadas do biodiesel misturado no gasóleo.

Os carros a gasóleo emitem ao longo da sua vida mais 3,65 toneladas de CO2 do que um equivalente a gasolina.

“Esta análise desacredita a afirmação dos fabricantes de automóveis de que carros a gasóleo são necessários para atingir os seus objetivos climáticos”, refere a associação Zero, parceira da Federação Europeia de Transportes e Ambiente, que realizou este estudo.

A Federação considera que, na Europa, o mercado automóvel “é distorcido a favor do gasóleo”, nomeadamente através de regulamentos “tendenciosos e impostos injustos”.

A quita de carros a gasóleo na Europa é de 50%, enquanto na China e nos Estados Unidos corresponde a 2% e 1%, respetivamente.

Dois anos depois do ‘dieselgate’ – com a descoberta de que alguns fabricantes de carros usavam um dispositivo para manipular as emissões de poluentes nos testes -, a Federação Europeia de Transportes e Ambiente alerta que existem “mais de 37 milhões de carros e carrinhas ilegalmente poluentes que circulam por toda a Europa”.

“É hora de os fabricantes de automóveis assumirem a responsabilidade pela limpeza e financiamento das medidas locais para combater a crise da poluição atmosférica urbana que em grande parte causaram”, argumenta a Federação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Veículos a gasóleo são mais poluentes que os a gasolina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião