Costa quer língua portuguesa como língua oficial da ONU

  • Ana Batalha Oliveira
  • 20 Setembro 2017

António Costa falou perante as restantes nações da ONU. Aproveitou para relembrar a relevância da língua portuguesa, que acredita merecer o título de língua oficial das Nações Unidas.

No discurso desta quarta-feira na conferência anual das Nações Unidas, o primeiro-ministro português defendeu a adoção do português como língua oficial das Nações Unidas. Sugeriu ainda que o continente africano, Índia e Brasil se tornassem membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU. O compromisso nacional com as metas ambientais também saiu reforçado.

A adoção do português como língua oficial das Nações Unidas permanece um desígnio comum aos diferentes Estados da comunidade de países de língua portuguesa“, afirmou António Costa perante os restantes representantes dos Estados membros da ONU. O primeiro-ministro relembrou que até meados do século a língua portuguesa deverá ser falada por 400 milhões de pessoas, tornando-a um “instrumento de comunicação com dimensão global” que já foi elevado a língua oficial por outros organismos internacionais.

Para além da questão da língua, o primeiro-ministro pronunciou-se acerca da composição do Conselho de Segurança da ONU, o qual acredita que beneficiaria de uma “acrescida representatividade”, nomeadamente, incluindo o Brasil, Índia e representantes do continente africano a título permanente. “O continente africano não pode deixar de ter uma presença permanente, e o Brasil e a Índia são dois exemplos incontornáveis de uma representação que urge necessária”, declarou.

 

O compromisso com as metas ambientais, em particular no que toca à preservação dos oceanos, foi outro dos pontos em destaque no discurso do primeiro-ministro. Segundo António Costa, “Portugal cumprirá o compromisso de reduzir, até 2030, 40% das emissões de gases de efeito de estufa“, colocando-os de volta em valores de 1990, tal como ficou acordado em Paris em 2015. Costa aproveitou ainda para sublinhar a disponibilidade do país para receber a segunda Conferência das Nações Unidas dedicada à conservação e à exploração sustentável dos Oceanos, com data marcada para 2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa quer língua portuguesa como língua oficial da ONU

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião