ONU sem medo. Sanções mais duras de sempre para a Coreia do Norte

  • ECO
  • 12 Setembro 2017

A ONU aprovou esta segunda-feira um conjunto de sanções proposto pelos EUA para a Coreia do Norte. Medidas representam uma perda de mais de 2 mil milhões de euros para o país.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou esta segunda-feira por unanimidade mais uma série de sanções que serão impostas à Coreia do Norte. Propostas pelos Estados Unidos, as medidas visam interditar as exportações têxteis e reduzir o abastecimento de petróleo e gás.

Já é o oitavo conjunto de sanções impostas ao país liderado por Kim Jong Un, aprovadas em unanimidade pelos 15 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas e são consideradas as mais duras de sempre. Com o apoio da China e da Federação Russa – os apoios mais próximos da Coreia do Norte, a ONU pretende punir o país pelo ensaio nuclear realizado a 3 de setembro.

“Estamos a agir em resposta a novos desenvolvimentos perigosos”, disse Nikki Haley, representante dos EUA, citada pela Bloomberg. “Estas são as medidas mais duras alguma vez impostas contra a Coreia do Norte”, acrescentou.

Depois desse episódio fortemente julgado por vários países e dirigentes, Pyongyang ameaçou com uma retaliação se o Conselho de Segurança da ONU aprovasse sanções mais duras contra o país. “As próximas medidas […] vão causar aos Estados Unidos a maior dor e sofrimento por que passaram em toda a sua história”, avançou a agência de informação coreana, citando um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte.

No entanto, e para azar de Kim Jong Un, a ONU não teve medo das ameaças e avançou com mais sanções. Com as medidas cada vez mais severas, a ONU pretende forçar os dirigentes de Pyongyang a negociar os seus programas de armamento nuclear e convencional, que são considerados uma ameaça à estabilidade mundial.

As sanções aprovadas visam reduzir as importações de produtos de petróleo refinado, para dois milhões de barris por ano, e acabar com as exportações de têxteis para a Coreia do Norte.

Esta terça-feira, a Coreia do Sul e o Japão afirmaram que as novas medidas representam uma advertência de que o país arrisca um isolamento total se prosseguir com os programas nuclear e de mísseis. “Isto deixa clara a vontade da comunidade internacional para elevar a pressão a um novo nível e levar a Coreia do Norte a mudar as suas políticas”, disse Shinzo Abe, o primeiro-ministro japonês.

“Se a Coreia do Norte continuar por este caminho ficará progressivamente mais isolada do resto do mundo e será incapaz de ter um futuro próspero”, acrescentou.

Contudo, as sanções impostas são menos drásticas do que aquilo que Washington pretendia. O estado norte-americano queria uma proibição total da venda de crude, produtos petrolíferos refinados e gás à Coreia do Norte por parte dos Estados-membros da ONU.

Mas a Rússia e a China, que têm direito de veto no Conselho de Segurança da ONU, opuseram-se a certos pontos do projeto elaborado pelos Estados Unidos. O que resultou num documento final menos “severo” para o regime de Kim Jong Un.

Somando tudo, as medidas aprovadas anteriormente, que fixaram um embargo às exportações de carvão, ferro, peixe e marisco, representam uma perda de cerca de 2,26 milhões de euros para a Coreia do Norte. Um valor que corresponde a 90% das vendas ao estrangeiro, segundo cálculos apresentados pelos Estados Unidos o ano passado.

Os norte-coreanos fora do país serão ainda afetados pelas novas sanções. Não serão concedidos vistos de trabalho e serão impedidos de enviar rendimentos para o país de origem.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ONU sem medo. Sanções mais duras de sempre para a Coreia do Norte

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião