Portugal começa a reduzir dívida em outubro, garante António Costa

  • Lusa
  • 17 Setembro 2017

O primeiro-ministro, António Costa, disse que Portugal deverá começar a reduzir a dívida já em outubro. "É a esta trajetória que temos de dar continuidade", afirmou.

O primeiro-ministro, António Costa, declarou que Portugal vai começar a reduzir a sua dívida pública “a partir de outubro”, indicador que, aliado à descida do défice, sustenta o caminho de recuperação económica do país.

“Estamos a conseguir reduzir o défice e vamos começar a reduzir a dívida a partir de outubro. É a esta trajetória que temos de dar continuidade, e para darmos continuidade precisamos de dar força à mudança política que fizemos há dois anos”, vincou Costa, falando em Trancoso, como secretário-geral do PS, perante dezenas de socialistas presentes na abertura da sede de campanha do candidato autárquico local.

O chefe do Governo e líder do PS diz ser “preciso dar força” aos socialistas para ser prosseguida “esta mudança de política”. “Os resultados têm sido bons, mas temos de fazer mais para serem melhores e sustentáveis”, advogou, antes de pedir que seja dada continuidade ao trabalho iniciado “nesta legislatura” nas legislativas de 2019. No atual executivo municipal de Trancoso, presidido por Amílcar Salvador, que o PS recandidata, os socialistas têm a maioria, com quatro elementos, e o PSD possui três vereadores.

Subida do rating abre “novas oportunidades” de investimento

Por sua vez, o ministro dos Negócios Estrangeiros destacou as “novas oportunidades” que a subida do ‘rating’ de Portugal abre para colocação da dívida portuguesa junto de investidores institucionais e atribuiu “diplomaticamente” aos portugueses o “mérito principal” desta conquista.

“Alguns dos investidores institucionais, como os fundos de pensões, estão obrigados estatutariamente a só comprar divida com uma certa classificação, de grau de investimento, e portanto o facto de hoje termos a nossa dívida assim classificada por parte da Standard & Poor’s [S&P] abre novas oportunidades para colocação junto de investidores”, afirmou Augusto Santos Silva em declarações aos jornalistas à margem de uma visita aos empresários portugueses presentes em Milão, Itália, na maior feira de calçado do mundo – a MICAM.

Comentando a revisão em alta, na sexta-feira, pela agência de notação financeira S&P do ‘rating’ atribuído à dívida soberana portuguesa de ‘BB+’ (a nota mais elevada de não investimento, descrita como ‘lixo’) para ‘BBB-‘ (a mais baixa de investimento), Santos Silva considerou tratar-se de “uma muito boa notícia porque Portugal”.

“Portugal tem desde sexta-feira a sua dívida cotada em grau de investimento por duas agências, incluindo uma das três grandes agências (a S&P), e as outras duas agências já colocaram a dívida pública portuguesa em perspetiva positiva, o que quer dizer que, numa próxima revisão, teremos certamente todas as agências internacionais de ‘rating’ a classificar a divida portuguesa como uma dívida em que vale a pena investir”, sustentou.

Questionado pelos jornalistas sobre o debate entre PSD/CDS-PP e PS em torno dos méritos desta melhoria da avaliação da dívida portuguesa, Santos Silva, assumindo-se como “habituado à linguagem diplomática” dado o cargo que ocupa, preferindo apenas afirmar, “de uma forma muito simples e consensual, que o mérito principal pertence aos portugueses”.

Já relativamente a uma eventual dificuldade acrescida levantada por esta subida do ‘rating’ da República na negociação com os partidos da esquerda parlamentar do Orçamento do Estado para 2018, o ministro recordou que “a maioria da esquerda parlamentar é mesmo constituída pelo Partido Socialista” e assegurou que o Governo está “comprometido com uma trajetória de reversão do défice e da dívida pública” que é “absolutamente essencial”, pelo que “nada” fará “que a possa por em causa”.

“Esta subida do ‘rating’ significa que foi possível, como nós sempre dissemos, combinar o rigor financeiro com políticas económicas e sociais mais ativas e que este é o caminho que nós devemos continuar a trilhar”, sustentou. A este propósito, o governante recordou que “a última dívida colocada de Obrigações do Tesouro, portanto dívida a prazos relativamente longos, foi colocada na última quarta-feira com os juros mais baixos das colocações deste ano”.

E, salientou, “uma dívida mais bem cotada significa menos encargos com juros para o orçamento português, o que significa que os contribuintes portugueses pagam menos pelo ‘stock’ da dívida”. “Já há dois ou três anos que o nosso saldo primário é positivo, isto é, se descontarmos o que pagamos de juros de dívida, as nossas contas públicas estão equilibradas. Mas ainda temos um ‘stock’ elevado de dívida e, por isso, gastamos por ano ainda muitos milhares de milhões de euros com o serviço de dívida. Quanto menos gastarmos mais recursos temos para outras políticas, incluindo as políticas de incentivos económicos”, afirmou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal começa a reduzir dívida em outubro, garante António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião