Sucesso do Governo deve-se ao fim da “austeridade mais ortodoxa”

Santos Silva descartou à agência Bloomberg qualquer possibilidade de eleições antecipadas. Elogiou habilidade do Governo em virar a página da "austeridade mais ortodoxa".

Palavra de Augusto Santos Silva. O Governo não vai criar um cenário político com vista à convocação de eleições antecipadas, ainda que as sondagens apontem para uma grande vantagem do PS na preferência dos eleitores portugueses. À agência Bloomberg, o ministro dos Negócios Estrangeiros foi claro: “Quem provocar uma crise política em Portugal vai pagar caro”. E sublinhou que o sucesso do Executivo de António Costa se deve ao virar a página da “austeridade mais ortodoxa”.

“O atual governo está profundamente e completamente comprometido com o seu mandato. A estabilidade política é um dos fatores chave para o sucesso de Portugal”, assegurou Augusto Santos Silva.

Como contexto desta afirmação, a Bloomberg adianta as últimas sondagens publicadas no Expresso, a 4 de agosto, e que dão conta de que o PS tem 41% das intenções de voto, contra os 32% de votos que obteve nas eleições de outubro de 2015. Os socialistas surgem com uma vantagem de 13 pontos percentuais face ao PSD. A agência compara este cenário de eventual vantagem nas urnas com o cenário que levou a britânica Theresa May a convocar eleições antecipadas em junho. Mas “o líder português António Costa está mais inclinado a jogar pelo seguro”, escreve a Bloomberg.

Questionado sobre as negociações para o Orçamento do Estado para 2018, Santos Silva disse que o Governo espera alcançar um acordo com os seus parceiros no Parlamento, o Bloco de Esquerda e o PCP, no sentido de aprovar o documento que será apresentado em outubro. Destacou a habilidade do Executivo em virar a página da “austeridade mais ortodoxa”.

“O sucesso político do Governo português tem a ver com a habilidade de deixar para trás a austeridade mais ortodoxa, em termos de política orçamental, sem desrespeitar os nossos compromissos europeus”, frisou o responsável.

Elogiou ainda a “resiliência social muito impressionante da população portuguesa” nos últimos anos da crise económica, depois dos cortes nos salários e pensões e do aumento de impostos que não criaram “turbulência social significativa”.

“A forma tradicional de os portugueses de lidar com as dificuldades, baseada nas redes familiares, redes comunitárias, funcionou perfeitamente durante a crise e a crise em Portugal foi muito, muito severa”, referiu Santos Silva.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sucesso do Governo deve-se ao fim da “austeridade mais ortodoxa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião