Passos: Reversão na reforma do IRC foi o que mais prejudicou as empresas

  • Lusa
  • 20 Setembro 2017

Em causa estava a descida do IRC acordada nos anos da troika entre o Governo e o Partido Socialista de então liderado por António José Seguro.

O presidente do PSD considerou esta quarta-feira que a reversão da reforma do IRC foi a que teve “um impacto mais negativo” para os empresários portugueses, depois de visitar uma empresa de transportes em Amares (Braga).

Numa ação de campanha autárquica de apoio ao candidato da coligação PSD/CDS-PP Manuel Moreira – atual presidente da câmara, mas que há quatro anos foi eleito pelo PS -, Passos Coelho lamentou que não tivesse prosseguido a trajetória de descida do IRC prevista pelo Governo que liderou. “O facto disso ter sido revertido preocupa-nos, era muito importante que pudéssemos continuar a criar ambiente favorável à competição económica e que as pessoas pudessem ter melhores empregos”, defendeu, considerando que uma fiscalidade adversa pode gerar dificuldades na criação de melhores salários.

O líder do PSD alertou também para uma preocupação manifestada pelo administrador da empresa de transportes que visitou ao lado do candidato a Amares, relacionada com as dificuldades dos acessos rodoviários locais. “Estamos a falar, no essencial, de obras que estavam previstas ao nível do plano de proximidade das Infraestruturas de Portugal e que não foram feitas por escolhas orçamentais, era importante que o Governo não fechasse os olhos nas opções que vai fazer no futuro“, apelou Passos Coelho, que nesta ação de campanha em Amares contou com a presença do antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro.

No final da visita à empresa, Passos sentou-se aos comandos de um camião TIR e revelou que, nos tempos em que era administrador da Fomentinvest, já geriu uma empresa que tinha uma frota de camiões. “Isto parece quase um hotel”, comentou, sentado ao volante, enquanto tentava chegar o banco para trás, já que, disse, gosta de conduzir mais afastado.

Não chegou a rodar a chave da ignição, mas, questionado, se se sente preparado para conduzir os destinos da oposição até às autárquicas de 1 de outubro respondeu de forma pronta. “Não sinto preparado, eu já estou a conduzir. O PSD é um grande partido e procura nestas eleições recuperar uma posição cimeira no plano autárquico e é isso que estamos a fazer, estamos a trabalhar para isso”, disse.

Além de Manuel Moreira (PSD/CDS-PP), concorrem às autárquicas em Amares Pedro Costa (PS), António Costa (CDU) e o independente Emanuel Magalhães.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos: Reversão na reforma do IRC foi o que mais prejudicou as empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião