Quatro em cada dez empresas portuguesas preveem contratar em 2018

  • Lusa
  • 20 Setembro 2017

A Mercer|Jason Associates revela que 40% das empresas prevê contratar trabalhadores em 2018, uma redução de 1%, face ao ano anterior.

A consultora Mercer|Jason Associates divulgou o estudo ‘Total Compensation Portugal 2017’, que revela que 40% das empresas prevê contratar trabalhadores em 2018, uma redução de 1%, face ao ano anterior.

Já 51% das empresas inquiridas manifestam a intenção de manter o número atual de colaboradores, mais 4% do que em 2017, e 9% prevê reduzir o número de funcionários, o que equivale a um recuo de 3%.

Em comunicado, um dos responsáveis da Mercer|Jason Associates Tiago Borges indica que “em 2017, as estimativas apontam para um crescimento mais acentuado [do PIB], prevendo-se para 2018 uma estabilização do crescimento económico em Portugal”, o que contribui para as melhorias verificadas na intenção de contratação de colaboradores por parte das organizações, o que tende a refletir-se na descida da taxa de desemprego”.

Cerca de 87% das empresas inquiridas realizam a revisão salarial uma vez por ano, e entre os fatores que influenciam o valor disponibilizado para esse fim surgem os resultados individuais do colaborador (86%) e os resultados da organização (66%).

Em 2017, os incrementos comerciais rondam os 2% em quase todas as áreas, destacando-se as funções comerciais/vendas, que registam um aumento de 2,37%.

As perspetivas apontadas para 2018 mantêm-se, na generalidade, nos 2%, exceto para as funções de topo (2,27%) e para os operários (1,50%).

No que se refere aos benefícios atribuídos pelas empresas portuguesas em 2017, cerca de 47% das instituições participantes concede subsídio de doença, 93% um plano médico, 50% atribui seguro de acidentes pessoais e 73% seguro de vida, 44% concede um plano de pensões e 53% das empresas atribui dias de férias extra aos seus colaboradores.

o valor médio de subsídio de refeição atribuído a cada trabalhador, fixou-se em 178 euros por mês.

O estudo ‘Total Compensation Portugal 2017’ analisou 154.826 postos de trabalho em 333 empresas no mercado português, sendo a amostra constituído por empresas multinacionais (63%) e empresas nacionais (37%).

No que se refere ao número de colaboradores, amostra é, maioritariamente, constituída por empresas de pequena e média dimensão, com menos de 100 funcionários (50%), registando-se uma prevalência do sexo masculino (54%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quatro em cada dez empresas portuguesas preveem contratar em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião