Faria de Oliveira: Banca poderá precisar de capital a médio prazo. Rating ajuda

O presidente da APB diz que a banca vai precisar de fazer aumentos de capital. Reforços que vão ajudar a acelerar o processo de redução do malparado. Sobre a plataforma, diz estar "para muito breve".

A banca portuguesa vai necessitar de novos aumentos de capital. Não a curto, mas a médio prazo, diz Faria de Oliveira ao ECO na entrega dos prémios IRGA, da Deloitte. Reforços que, salienta o presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), vão servir para acelerar a redução do crédito malparado, que ainda pesa na rentabilidade dos bancos, mas também para responder a requisitos de capital impostos pelos reguladores. Em relação à plataforma criada para resolver o problema do malparado, o representante das instituições financeiras nacionais afirma que o anúncio da solução está “para muito breve”.

“O sistema bancário vai necessitar, de tempos a tempos, de realizar aumentos de capital. Não a curto, mas a médio prazo“, nota Faria de Oliveira. “Aumentos de capital que vão permitir que os bancos acelerem a resolução dos NPL [crédito malparado]”. Isto apesar de o presidente da APB reconhecer que os resultados dos esforços dos bancos para diminuir este peso estão à vista. Segundo dados do Banco de Portugal, o montante do malparado detido pela banca nacional caiu para um mínimo de quase cinco anos. Ainda assim, estes créditos ascendem a 15.392 milhões de euros.

O sistema bancário vai necessitar, de tempos a tempos, de realizar aumentos de capital. Não a curto, mas a médio prazo.

Fernando Faria de Oliveira

Presidente da Associação Portuguesa de Bancos

Estes reforços de capital vão também ajudar as instituições a “responder a outros requisitos que a supervisão e a regulação vão impondo”, acrescenta. É o caso dos requisitos MREL, o sistema de requisito mínimo de fundos próprios e passivos elegíveis, dos quais os detalhes ainda “não são devidamente conhecidos”. Para responder a estas exigências, é “preciso realizar emissões de obrigações e o facto de o rating estar melhor vai seguramente ajudar nesse sentido”, defende.

Para Faria de Oliveira, a subida do rating da República portuguesa por parte da Standard & Poor’s — que tirou o país de “lixo” — vai “seguramente” ajudar neste processo de atração de capital. Esta melhoria da notação “é, indiscutivelmente, extremamente positiva para o país, para o sistema bancário e para a economia em geral. Era essencial que esta revisão ocorresse o mais rapidamente possível”, defende, mas também salienta que esta subida “peca pela demora”.

Anúncio da plataforma para o malparado? “Muito em breve”

Faria de Oliveira não dá muitos detalhes sobre a plataforma para solucionar o crédito malparado que está no balanço dos bancos. O presidente da APB diz apenas que não deve demorar muito. “Sabemos que o anúncio da solução está para muito breve”, refere ao ECO.

“Há uma certa expectativa de que esta plataforma possa acelerar, por um lado, a viabilização de empresas muito endividadas”, refere, mas também “permitir que os créditos possam ser resolvidos mais rapidamente”. O Governo já disse que espera que a plataforma de gestão comum de créditos malparados, que será constituída pelas três maiores instituições financeiras, esteja em funcionamento “no início do próximo ano”.

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, esclareceu que “são os bancos que estão a tratar” de operacionalizar esta solução e que “o Governo acompanha de perto, tal como o Banco de Portugal”.

Venda do Novo Banco? “É importante que seja” bem-sucedida

Sobre a venda do Novo Banco, Faria de Oliveira está otimista. “Tenho esperança que a venda seja bem-sucedida e é importante que o seja”, salienta. Isto depois de Mourinho Félix ter dito que acredita no sucesso da operação de recompra de obrigações, uma condição essencial para que a alienação do banco de transição ao fundo norte-americano Lone Star se concretize.

Na primeira assembleia-geral de obrigacionistas, foi aprovada a resolução de reembolso antecipado de 2,34 mil milhões de euros de valor nominal de obrigações, correspondendo a 37% do objetivo global definido para o sucesso da operação. Agora, na segunda convocatória, os detentores de dívida terão outra oportunidade para aceitar a oferta ou então até 2 de outubro, quando acaba o prazo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faria de Oliveira: Banca poderá precisar de capital a médio prazo. Rating ajuda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião