Associação Mutualista faz acordo com empresa chinesa

  • ECO
  • 22 Setembro 2017

A dona do Montepio assinou uma parceria com o grupo chinês CEFC. Este acordo permitirá aos chineses entrarem no capital das empresas financeiras da Associação Mutualista.

A Associação Mutualista assinou uma parceria estratégica com o grupo chinês CEFC Energy. Este acordo assinado entre a entidade liderada por António Tomás Correia e a empresa de energia chinesa envolve várias participações em empresas financeiras da Associação, mas exclui qualquer investimento na Caixa Económica Montepio Geral.

“A cooperação estratégica será implementada através de um conjunto de acordos e projetos específicos”, lê-se num comunicado da associação liderada por António Tomás Correia. Mas “não incluirá, em nenhum dos casos, qualquer participação na Caixa Económica Montepio Geral”, acrescenta.

"A cooperação estratégica será implementada através de um conjunto de acordos e projetos específicos a serem negociados e acordados ao critério de cada parte, que não incluirá, em nenhum dos casos, qualquer participação na Caixa Económica Montepio Geral.”

Associação Mutualista Montepio Geral

Este acordo, assinado entre o vice-presidente da empresa chinesa, Hongbing Wu, e o CFO da Associação Mutualista, Miguel Teixeira Coelho, deve resultar, diz a entidade, numa “parceria estratégica de longo prazo para uma potencial cooperação empresarial multidimensional”, num acordo vantajoso para ambas as partes. Esta parceria é assinada depois de o Jornal Económico ter avançado que a Associação Mutualista pôs a seguradora Lusitânia à venda.

Segundo o comunicado, a chinesa CEFC é uma das maiores empresas privadas na China, com foco no setor energético. O grupo regista receitas superiores a 40 mil milhões de dólares anualmente e faz parte da lista Fortune Global 500 há quatro anos consecutivos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Associação Mutualista faz acordo com empresa chinesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião