Descongelamento das carreiras faseado? Sim, mas só “em dois anos”

  • Lusa
  • 22 Setembro 2017

Catarina Martins desenhou uma linha vermelha para o descongelamento das carreiras da função pública. O Bloco de Esquerda aceita que o processo seja faseado, mas não dará mais de dois anos ao Governo.

A coordenadora do BE, Catarina Martins, rejeitou esta sexta-feira que o descongelamento de carreiras dos funcionários públicos seja faseado em mais de dois anos, recordando que o acordo com o PS é para o fazer durante a legislatura.

O Governo garantiu na quinta-feira que o descongelamento das progressões das carreiras, em 2018, beneficiará “a maioria” dos funcionários públicos e o processo será concluído “em poucos anos”, tendo o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) revelado que este será feito entre 2018 e 2021.

Nós sabemos que não é possível fazer tudo ao mesmo tempo, mas o acordo que nós temos é um acordo para descongelar as carreiras durante esta legislatura e, portanto, podendo ser faseado, deve ser faseado em dois anos e não mais de dois anos”, respondeu Catarina Martins aos jornalistas à margem da primeira ação de campanha para as eleições autárquicas do dia, uma visita ao mercado de Guimarães, distrito de Braga.

A líder bloquista recordou que os funcionários em causa “estão há mais de uma década a perder poder de compra todos os anos”, que “há três escalões da função pública que são ultrapassados pelo aumento do salário mínimo nacional” e “toda gente em Portugal quer serviços públicos que funcionem”. “A reivindicação do descongelamento de carreiras é uma reivindicação muito justa e necessária”, reiterou.

O estudo dos economistas “da área do PS” que foi conhecido na quinta-feira foi de novo referido por Catarina Martins, que sublinhou que este “fala da possibilidade de se fazer melhor do que esta proposta do Governo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Descongelamento das carreiras faseado? Sim, mas só “em dois anos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião