Reunião de sindicatos de enfermeiros termina sem acordo

  • Lusa
  • 22 Setembro 2017

Sindicatos estiveram reunidos na Ordem dos Enfermeiros, por proposta da bastonária. Encontro não resolveu impasse relativo ao futuro da carreira dos profissionais.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) revela que a reunião de quinta-feira entre as estruturas sindicais acabou sem acordo, mas manifestou abertura para continuar a debater com vista a um entendimento sobre o futuro da carreira destes profissionais.

Numa mensagem divulgada no seu Facebook, a dirigente sindical Guadalupe Simões, afirma que o SEP se recusa a assinar um memorando de entendimento sem antes discutir a matéria com os profissionais, mas mantém a intenção de reunir-se com os outros sindicatos “no sentido da convergência relativamente à discussão da futura carreira”.

A CNESE (federação de sindicatos que inclui o SEP), “como sempre, não apresenta nenhuma proposta de carreira sem a discutir com os enfermeiros. A carreira negociada em 2009 esteve em discussão pública durante dois anos (2003 e 2004) com dezenas reuniões, em todas as instituições e em todo o país. E não assina documentos sem que os órgãos próprios sejam auscultados e sobre eles decidam”, refere Guadalupe Simões.

Os quatro sindicatos que representam os enfermeiros, organizados em duas federações (FENSE e CNESE), estiveram na quinta-feira reunidos na Ordem dos Enfermeiros, por proposta da bastonária Ana Rita Cavaco, mas o encontro terminou sem acordo.

No texto que publicou na rede social Facebook, Guadalupe Simões explica que “o SEP não abandonou a reunião” e que, no encontro, “a Ordem exigia que a CNESE assinasse um memorando de entendimento onde constava uma estrutura de carreira e grelhas salariais”, proposta que, considera, “poderia ter sido enviada previamente para que as direções dos sindicatos pudessem decidir”.

Diz ainda que a CNESE recordou que, fruto da mobilização dos colegas nas últimas semanas, “nas reuniões negociais de 12 e 14 esta questão foi discutida com o Ministério da Saúde, que assumiu o compromisso (explicito na proposta enviada a 18 de setembro) de rever/negociar a carreira em 2018”.

“A CNESE, como sempre, não apresenta nenhuma proposta de carreira sem a discutir com os enfermeiros. A carreira negociada em 2009 esteve em discussão pública durante dois anos (2003 e 2004) com dezenas reuniões, em todas as instituições e em todo o país. E não assina documentos sem que os órgãos próprios sejam auscultados e sobre eles decidam”, sublinha Guadalupe Simões.

Perante este impasse, “a CNESE saiu da reunião não sem antes continuar a demonstrar toda a sua disponibilidade para se reunir com a FENSE (a outra federação sindical) no sentido da convergência relativamente à discussão da futura carreira”.

Diz ainda que a CNESE “afirmou também a sua disponibilidade para continuar a articular e convergir com a Ordem sobre as temáticas que são da sua esfera de competências”.

A agência Lusa tentou contactar com o Sindicato dos Enfermeiros e com a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, mas não foi possível até ao momento obter qualquer posição.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reunião de sindicatos de enfermeiros termina sem acordo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião