Uber perde licença para circular em Londres

  • ECO
  • 22 Setembro 2017

As autoridades não renovaram a licença de operações da Uber na capital inglesa.

As autoridades dos transportes londrinas decidiram não renovar a licença de atividade da Uber na capital do Reino Unido, argumentando que a empresa de transportes não tem legitimidade para operar este tipo de atividade. A atual licença da Uber na cidade expira a 30 de setembro. A empresa vai avançar com o caso para os tribunais.

De acordo com o comunicado emitido pela Autoridade de Transportes de Londres, “a abordagem e conduta da Uber demonstram uma falta de responsabilidade corporativa numa série de casos com potenciais implicações na segurança pública”. Em causa está também o uso de software Greyball, utilizado para bloquear o acesso das autoridades a informações relativas à aplicação móvel, impedindo as autoridades de garantir o cumprimento da lei.

A decisão conta com “total” apoio de Sadiq Khan, presidente da Câmara de Londres, que afirma o fornecimento de um serviço inovador não deve ser feito “à custa da segurança dos consumidores”, cita o Financial Times.

A Uber tem 21 dias para recorrer da decisão da autoridade dos transportes e continuar a operar em Londres. Em comunicado, a empresa de transportes refere que vai avançar com o caso para os tribunais, sublinhando os 3,5 milhões de londrinos e os mais de 40.000 condutores registados na plataforma afetados pelo caso. No mesmo documento, a empresa garante que “Os motoristas que viajam com a aplicação da Uber são licenciados pela Transport for London e passaram pelas mesmas certificações que os black cabs (táxis locais).”

Como resposta às acusações das autoridades, a Uber refere que monitoriza e regista as suas viagens por GPS de forma a garantir a segurança do serviço. “Seguimos sempre as regras da TfL ao relatar incidentes graves e temos uma equipa dedicada que trabalha em estreita colaboração com a Polícia Metropolitana de Londres”, argumenta a empresa.

(Notícia atualizada às 14h45)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber perde licença para circular em Londres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião