Sweet Inn: a plataforma de alojamento local com os luxos de um hotel

  • ECO
  • 24 Setembro 2017

A startup franco-israelita Sweet Inn funciona como uma plataforma de alojamento local, mas oferece os luxos de um hotel. Já está disponível em cinco cidades europeias e duas em Israel.

Amoreiras III, em Lisboa.Sweet Inn

Já deu por si a planear uma viagem e a procurar um lugar onde ficar, um espaço só para si, mas com as comodidades e serviços de um hotel? Foi a pensar em pessoas assim que surgiu a Sweet Inn – uma plataforma que oferece comodidades e luxos como pequeno-almoço no quarto, serviço de limpeza, lavandaria, motorista, etc..

Criada no final de 2014, esta startup franco-israelita funciona como uma espécie de AirBnB, mas oferece o luxo e o conforto dignos de um hotel. São mais de 350 apartamentos espalhados por cinco cidades europeias (Paris, Barcelona, Roma, Bruxelas e Lisboa), e ainda em Jerusalém e Telavive. Só em Lisboa a plataforma conta com 41 apartamentos, em menos de um ano.

Boaz Beri, diretor de new business na Europa da Sweet Inn, garante que “um cliente que usufrui e gostou dos nossos serviços em Roma, em Barcelona ou em Lisboa vai sair igualmente satisfeito”.

A ideia passa por alugar os apartamentos, por um período de três anos, a proprietários que já tenham licença de alojamento local. A decoração dos espaços fica a cargo da Sweet Inn, em parceria com designers locais. Os temas são inspirados em cada cidade.

Os hóspedes

Para a Sweet Inn, “os viajantes turísticos são o principal alvo“, mas não há um tipo específico de hóspede. Como há opções para todos os gostos, dificilmente encontrará algo que não seja à sua medida. “Desde acolhedores estúdios para uma escapadinha romântica, a apartamentos mais funcionais para as estadias de negócios, passando por alojamentos espaçosos para passar umas férias em família ou com um grupo de amigos”, avança a startup.

Os apartamentos ficam localizados em zonas estratégicas das cidades, desde áreas mais turísticas até centros empresariais. Os preços começam nos 80 euros por noite e estão incluídos lençóis de linho, máquina de café com cápsulas gratuitas; WiFi, um tablet com recomendações sobre o destino, carregadores para todos os tipos de smartphones, máquina de lavar loiça e roupa e ainda alguns pequenos eletrodomésticos.

"Oferecemos uma nova forma de viajar que não implica desistir do conforto e da segurança de um hotel.”

Boaz Beri

Diretor de New Business na Europa da Sweet Inn

Para além disso, tem ainda direito a limpeza diária, serviço de lavandaria, pequeno-almoço no quarto, aluguer de telemóvel, transfers de e para o aeroporto, aluguer de automóvel e até marcação de um motorista privado.

A plataforma

A Sweet Inn foi fundada em Telavive, mas tem sede mundial em Paris. Recentemente inaugurou em Barcelona o escritório da sede europeia e já emprega mais de 150 pessoas. Estima-se que, até ao final do ano, os postos de trabalho ultrapassem os 200.

A startup tem despertado o interesse por parte de muito investidores, que têm contribuído fortemente para uma rápida expansão da plataforma, nomeadamente a empresa israelita QUMRA Capital que contribuiu com a maior parte do investimento de 20 milhões de euros no mês de maio.

Estima-se que, até ao final do ano, a plataforma se estenda para mais três cidades – Londres, Madrid e Milão, e em 2018 deverá chegar ao continente americano e asiático.

Além do site, a empresa está ainda a preparar o lançamento de uma aplicação para o telemóvel, que deverá estar concluída até ao final do ano.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sweet Inn: a plataforma de alojamento local com os luxos de um hotel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião