Six Senses quer abrir mais hotéis em Portugal

O grupo que detém o luxuoso Six Senses Douro Valley está à procura de novas oportunidades no mercado português. Comporta, Alentejo, Algarve, Porto e Lisboa estão na lista.

O grupo tailandês Six Senses, detentor do hotel Six Senses Douro Valley, está a pesquisar o mercado português para adquirir uma nova unidade hoteleira. “Adoramos Portugal e queremos reforçar a nossa presença no país. Nesse sentido, estamos a pesquisar em zonas como Algarve, Comporta, Alentejo, Lisboa e Porto”, adiantou ao ECO Nick Yarnell, diretor-geral do Hotel Six Senses Douro Valley. “Se tudo correr bem, lá para 2020 devemos ter mais um hotel em Portugal”, acrescentou Yarnell.

Apesar de ainda não existir nada de concreto, Nick Yarnell admitiu que “neste momento, estão em negociações para abrir uma unidade no Algarve, mas ainda não há nada de concreto”. “De qualquer forma, nunca será antes de 2020”, precisou.

Mas em termos de investimentos, os objetivos do grupo não se ficam por aqui: está prevista a expansão da unidade hoteleira do Douro. “Vamos continuar a investir no nosso hotel. Temos em vista um plano de expansão que visa aumentar o número de quartos (mais dez) e ainda de construir 14 apartamentos para vender”, acrescentou Nick Yarnell que, contudo, não quis adiantar o montante de investimento.

No segredo dos deuses estão também as receitas arrecadadas no Six Senses Douro Valley (ex-Aquapura), situado na Quinta de Vale Abraão e adquirido em 2013.

O Six Senses Douro Valley é um hotel de luxo que conta com 57 quartos e que apresenta preços que podem ir desde os 300 euros a noite (época baixa) até aos 600 euros (época alta).

Condé Nast Traveller distingue unidade do Douro

A Condé Nast Traveller, a mais conceituada revista do setor do mundo, distinguiu o Six Senses Douro Valley com o prémio “Favourite Overseas Holiday Hotel for Europe, Turkey & Russia”. A juntar a este prémio, o hotel situado no Douro ficou ainda em segundo lugar como “melhor hotel do mundo”.

Para Nick Yarnell esta é uma distinção que os “enche de orgulho” e os “deixa muito satisfeitos”. “Mas a verdade é que é algo que não esperávamos, na medida em que o hotel tem apenas dois anos”, explicou o diretor-geral do Hotel.

Ainda assim, o responsável pela marca em Portugal não deixa de referir os pergaminhos que podem ter levado a esta distinção: “É uma unidade de luxo, que promove o bem-estar em conjugação com o vinho e, muito importante, que está na região do Douro”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Six Senses quer abrir mais hotéis em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião