CGTP diz que programa dos precários do Estado “é opaco”

  • Lusa
  • 25 Setembro 2017

Arménio Carlos fala de "uma situação de opacidade e de estagnação" e exigiu ao Governo que disponibilize "de imediato" as listas elaboradas pelos serviços com os trabalhadores em causa.

O líder da CGTP considerou hoje que a regularização dos precários do Estado transformou-se num processo opaco, onde é omitida informação aos sindicatos, e exigiu ao Governo que disponibilize “de imediato” as listas elaboradas pelos serviços com os trabalhadores em causa.

Em conferência de imprensa na sede da CGTP, o secretário-geral da intersindical, Arménio Carlos, considerou “positivo” o início do processo de regularização dos precários do Estado (PREVPAP), mas defendeu que “o compromisso assumido pelo Governo deve ser cumprido e não subvertido” nem criar “frustrações nas legítimas expetativas” dos trabalhadores.

“Este processo está claramente numa situação que não merece o nosso apoio”, sublinhou Arménio Carlos, acrescentando que o facto de o Governo “insistir em não distribuir listas com todos os trabalhadores com vínculos precários ligados a serviços, órgãos e empresas do setor empresarial do Estado, em vez de ajudar à clarificação e à celeridade do processo, o que levou foi a um retrocesso, a uma situação de opacidade e de estagnação”.

Segundo disse o líder da CGTP, as listas com os trabalhadores precários deviam ter sido entregues a 11 de agosto e, embora a intersindical as tenha solicitado várias vezes, o Governo respondeu com “silêncio”.

“Estamos perante um problema que não só está a atrasar a resolução de um conjunto vasto de situações postas pelos trabalhadores como está a originar um clima de desconfiança e de funcionamento opaco das comissões” de avaliação bipartida (CAB), que analisam os requerimentos dos trabalhadores, afirmou.

Sobre as CAB, Arménio Carlos denunciou o “funcionamento burocrático, pouco transparente e que desvaloriza, por norma, os sindicatos, condicionando a informação ou limitando o acesso a toda a informação”. O secretário-geral da CGTP defendeu que as CAB “não podem ter como função a complicação, mas a simplificação”, e deve seguir-se neste processo “o princípio do Simplex”.

Considerou ainda que há “restrições” desde o início do processo, nomeadamente “no acesso pelos representantes sindicais à informação concreta apresentada nos requerimentos pelos trabalhadores”. “Enquanto os serviços tinham acesso direto aos requerimentos, aos sindicatos o acesso era condicionado”, contou o líder da CGTP.

“Não se pode estar a trabalhar numa comissão sem ter acesso a toda a informação, incluindo aquela a que o Governo se comprometeu a distribuir”, adiantou. Arménio Carlos destacou ainda a “enormíssima discrepância” entre os dados do relatório do Governo, que apontavam para a existência de cerca de 100 mil trabalhadores precários, com o número de requerimentos entregues, da ordem dos 30 mil.

A proposta de lei do Governo que está no Parlamento “tem de ser melhorada”, sublinhou o líder da intersindical, defendendo que o horário completo deve deixar de ser uma condição para a regularização e que deve ser assegurado que ninguém ficará a perder remuneração com a entrada nos quadros.

Segundo o dirigente da intersindical, os sindicatos da CGTP “não vão ficar parados” e a central sindical já solicitou uma nova reunião ao ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para abordar o tema e irá dar “nova enfase à campanha nacional contra a precariedade” com “ideias” que serão anunciadas dia 10 de outubro.

O diploma sobre o PREVPAP está no Parlamento e será votado na especialidade dia 03 de outubro, estando prevista a votação final para a sexta-feira seguinte. O PS, o Bloco de Esquerda e o PCP apresentaram propostas de alteração. O diploma deverá entrar em vigor em janeiro de 2018.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

CGTP diz que programa dos precários do Estado “é opaco”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião