Marcelo reconhece aproximação fomentada por José Eduardo dos Santos

  • Lusa
  • 25 Setembro 2017

Marcelo Rebelo de Sousa diz que mesmo com divergências pontuais, José Eduardo dos Santos aproximou os dois países. Defende que é preciso "levar mais longe a fraternidade entre os dois povos".

O Presidente da República português destacou, em Luanda, a “aproximação” entre Portugal e Angola fomentada por José Eduardo dos Santos ao longo de 38 anos como chefe de Estado angolano, mesmo com divergências pontuais.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou ao início da manhã a Luanda onde, na terça-feira, assiste à investidura de João Lourenço como novo Presidente angolano, tendo sido recebido durante a tarde, no palácio presidencial, por José Eduardo dos Santos, que se despede das mesmas funções.

“Foi um encontro de uma amizade, que é a amizade do povo português pelo povo angolano e do povo angolano pelo povo português, e em que não podemos esquecer o facto de que todos os presidentes eleitos democraticamente em Portugal conviveram com o Presidente José Eduardo dos Santos”, sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente português falava na Escola Portuguesa de Luanda – que visitou logo após ter sido recebido por José Eduardo dos Santos -, numa receção apoteótica e que o levou a tirar dezenas de fotografias e ‘selfies’ com eufóricos estudantes angolanos e portugueses, terminando com uma improvisada partida de basquetebol e com Marcelo Rebelo de Sousa a alinhar numa das equipas da escola.

Sobre as relações entre os dois países, tema abordado pelos jornalistas a cada paragem, num momento em que decorrem na justiça portuguesa vários processos contra dirigentes angolanos, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que, ao longo dos últimos anos, Angola e Portugal construíram “um conhecimento recíproco”, com a “preocupação fundamental” de “levar mais longe a fraternidade entre os dois povos”.

“E isso é o que conta, para além dos episódios do momento, é essa a linha fundamental”, enfatizou.

Recordando os vários presidentes portugueses que se relacionaram, em funções, com José Eduardo dos Santos, Marcelo Rabelo de Sousa afirma que ouviu “testemunhos” em que “é possível encontrar vários momentos da história comum passos de convergência e de aproximação que no essencial respeitaram esta ideia: Dois povos que são irmãos”.

“Depois, como acontece em todas as famílias, há momentos em que há, digamos assim, pontos que não são tão importantes, de divergência, de dissonância. Mas isso acontece nas famílias e no entanto as famílias não deixam de ser famílias no essencial”, acrescentou.

Depois de um mergulho no Atlântico, junto à ilha de Luanda, pela manhã, cujas fotografias têm sido comentadas e partilhadas nas redes sociais pelos angolanos, o chefe de Estado português fecha o dia com uma aula na Universidade Agostinho Neto, onde foi professor.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo reconhece aproximação fomentada por José Eduardo dos Santos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião