Modernização dos F-16 custa 8,7 milhões de euros ao Estado

Os trinta caças de Portugal vão ser modernizados nos próximos anos. Ao todo vão ser encomendados trinta novos sistemas que permitem aos F-16 comunicar com outros aviões.

Os caças F-16 portugueses vão ser remodelados. A decisão do Governo, assinada pelo ministro da Defesa, foi publicada em Diário da República esta segunda-feira. A remodelação vai custar, ao todo, 8,7 milhões de euros ao Estado entre 2017 e 2020.

Em causa está a atualização dos sistemas utilizados pelos caças que são “cruciais para a interoperabilidade das aeronaves em todos os teatros de operações atuais”. Segundo o despacho, a ideia é substituir o atual MIDS Block Upgrade I pelo Multifunction Information Distribution System – Joint Tactical Radio System (MIDS JTRS). O contrato é firmado com as autoridades norte-americanas.

O Estado deverá gastar um milhão de euros este ano, dois milhões no próximo, quatro milhões em 2019 e 1,7 milhões em 2020. O despacho é assinado pelo ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes.

Esta opção já era esperada. Segundo um relatório de execução da Lei de Programação Militar (LPM) de 2016, divulgado pelo Diário de Notícias, considerava que modernizar os F-16 custaria dez vezes menos ao Estado do que comprar caças novos. Ao decidir não adquirir os aviões de quinta geração, a alternativa de Portugal passa pela sua remodelação.

De acordo com o mesmo jornal, a modernização dos trinta F-16 portugueses deverá custar 500 milhões de euros, o que corresponde a 16,6 milhões de euros cada. A vida útil dos F-16 deverá terminar em 2030.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Modernização dos F-16 custa 8,7 milhões de euros ao Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião