Consórcio japonês de bancos cria nova moeda digital

  • ECO
  • 26 Setembro 2017

Um consórcio de bancos japoneses está a preparar-se para criar uma nova moeda digital. A 'J Coin' tem como objetivo diminuir a forte dependência do Japão ao dinheiro vivo.

Os bancos japoneses vão introduzir uma nova moeda digital que deverá estar operacional nos Jogos Olímpicos de 2020 em Tóquio. Segundo o Financial Times (acesso pago, conteúdo em inglês), esta é a resposta do setor bancário à ameaça da Alibaba, empresa chinesa que lançou um serviço de pagamentos via smartphone no Japão. O novo projeto é liderado pelo Mizuho Financial Group e pelo Japan Post Bank e tem o apoio do banco central e do regulador financeiro.

Chama-se J Coin e deverá estar no mercado nos próximos dois anos. Esta moeda digital servirá para pagar bens e transferir dinheiro entre telemóveis. A J Coin deverá ser convertível em ienes numa base de um-para-um, segundo o jornal britânico. A ideia dos bancos é criar uma aplicação e QR codes de forma a facilitar as transações.

O serviço será gratuito. O que ganham os bancos? Vão recolher mais dados sobre os padrões de consumo dos seus utilizadores. “O dinheiro eletrónico está bem à frente dos cartões de crédito e de débito porque, quando se usa o cartão em lojas, estas têm de pagar uma taxa”, o que não acontece com a moeda digital, argumenta Yasuhiro Sato, o presidente executivo do Mizuho Financial Group, ao Financial Times.

O jornal teve acesso a uma apresentação usada pelos principais bancos japoneses para fazer lóbi junto do Governo e do regulador. O objetivo é desenvolver o projeto até aos Jogos Olímpicos de 2020 em Tóquio, altura em que poderão mostrar a capacidade de tecnologia financeira do país aos turistas. A estimativa dos bancos é que este novo sistema crie riqueza na ordem dos dez mil milhões ienes ao reduzir os custos com taxas.

Atualmente, 70% das transações feitas pelos japoneses são em cash — uma percentagem superior à da maioria dos países desenvolvidos, cuja taxa de utilização de dinheiro vivo fixa-se nos 30%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consórcio japonês de bancos cria nova moeda digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião