Juros de Portugal iguais a Espanha? Mourinho Félix acredita

O secretário de Estado Adjunto e das Finanças acredita que Fitch e Moody's vão seguir a S&P, tirando Portugal de "lixo". A subida do rating vai baixar as taxas para o nível de Espanha. Vai?

Portugal tem visto os juros da dívida caírem desde que saiu de lixo numa das três grandes agências de rating. A Standard & Poor’s surpreendeu os investidores, sendo que Mourinho Félix acredita que em breve haverá novas mexidas na classificação da dívida nacional por parte das restantes agências, estando a aguardar para “ver o que acontece” em Portugal. Novas subidas de rating irão, espera o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, atirar os juros do país para baixo dos de Itália e para o nível dos de Espanha. Mas pode não ser assim tão fácil.

Ricardo Mourinho Félix diz, em entrevista à Reuters, que “quer a Moody’s, quer a Fitch, estão à espera de ver o que acontece nos próximos dois meses em Portugal”. “Este período, também lhes permite ver o que acontece ao saldo orçamental para este ano e terem mais certeza sobre a evolução da economia portuguesa e a nível europeu”, acrescenta, notando que “uma vez aprovado o Orçamento e concluída a venda do Novo Banco, acho que há condições para a Moody’s e a Fitch seguirem a S&P”.

É perante esta expectativa que, diz o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, há margem para que os juros da dívida nacional continuem a cair, encolhendo-se o diferencial face a outros países do euro. “Todos estes efeitos criam margem para uma compressão adicional dos spreads. Neste momento, o spread que temos face a Itália está abaixo dos 30 pontos base já, e portanto, estamos quase próximo de Itália, mas não ainda de Espanha, cujo spread é significativo”.

“Quando tivermos três agências em investment grade, podemos ter um nível de spread mais próximo do que é a taxa [a dez anos] da economia espanhola”, disse à Reuters, vincando que Portugal tem condições de crescimento semelhantes a Espanha. “Significa ter um spread negativo para Itália, se nos aproximarmos das taxas de juro de Espanha”, destaca. Atualmente, a taxa a dez anos de Portugal está nos 2,378% — recua 4,1 pontos base para mínimos de quase dois anos –, enquanto a de Itália está nos 2,102%. A taxa de Espanha está em 1,614%.

Todos estes efeitos criam margem para uma compressão adicional dos spreads. Neste momento, o spread que temos face a Itália está abaixo dos 30 pontos base já, e portanto, estamos quase próximo de Itália, mas não ainda de Espanha, cujo spread é significativo.

Ricardo Mourinho Félix

Secretário de Estado e das Finanças

Quando a S&P tirou Portugal de lixo, as yields da dívida portuguesa afundaram, reduzindo-se de forma expressiva o diferencial face a outros países, apesar do alerta de Mário Centeno, o ministro das Finanças: “a dívida permanece a quarta maior do mundo”. Assim que o país obtiver o selo de qualidade também junto das outras agências de notação financeira existe margem para que a tendência de queda dos juros se acentue. Contudo, o diferencial face a Espanha é ainda elevado: 72 pontos base, exigindo uma compressão de spreads que poderá não ser assim tão fácil de alcançar.

“Para a entrada nos índices de governos é necessário que pelo menos duas agências de rating tenham Portugal em investment grade e normalmente as que contam são a S&P e a Moody’s. Vamos ter de esperar pela decisão de ambas”, explicou Cristina Casalinho, a presidente do IGCP, após a decisão da S&P. “Com a entrada nos índices de obrigações de governos europeus, os fundos de gestão passiva, que neste momento não compram obrigações do Tesouro, passam a adquiri-las [de forma automática]”, mas há dúvidas sobre a manutenção da pressão compradora do Banco Central Europeu (BCE).

A entrada para estes índices pode acontecer quando o BCE estiver preparado para sinalizar o fim dos estímulos, o que “pode complicar ainda mais” a vida aos investidores, nota Lyn Graham-Taylor. Ou seja, o BCE começar a comprar menos dívida aos países — o investimento em dívida portuguesa está em mínimos. O analista do Rabobank refere que estimam que “o BCE comece a diminuir o programa em janeiro, exatamente quando a dívida do país pode voltar a ser integrada nos índices de obrigações com qualidade”. Assim, Mario Draghi é o “elefante na sala”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros de Portugal iguais a Espanha? Mourinho Félix acredita

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião