Plataforma do malparado com impacto imediato “pouco relevante” no BCP

Os analistas consideram positiva a criação da plataforma que junta o malparado da CGD, do BCP e do Novo banco. Mas, referindo-se ao BCP, o CaixaBI diz que no curto prazo o impacto é "pouco relevante".

O memorando de entendimento para a criação de uma plataforma de gestão do malparado já foi assinado. CGD, BCP e Novo Banco vão integrar esta solução com o objetivo de aumentar a eficácia e a celeridade na resolução de processos de reestruturação dos créditos e das empresas. Os analistas veem com bons olhos a criação deste mecanismo. Mas de acordo com o CaixaBI, o respetivo impacto imediato será de pouca dimensão, num comentário em que se refere em específico ao BCP.

“Ainda que a gestão coordenada deste conjunto de créditos se deva traduzir a prazo numa maior eficiência ao nível da resolução dos processos em causa, é nosso entendimento que o impacto imediato deste anúncio ao nível da posição de balanço e da conta de resultados do BCP será pouco relevante“, diz o analista André Rodrigues numa nota do CaixaBI enviada a clientes nesta sexta-feira. O analista salienta a este propósito o facto de que esta nova plataforma “terá um enfoque, regra geral, em créditos com valor agregado não inferior a cinco milhões de euros e num contexto em que os ativos geridos pela plataforma permanecerão no balanço dos bancos“.

Já o BPI considera que “no curto prazo, a criação desta plataforma para a gestão conjunta do NPL deverá dispensar a necessidade da criação de um ‘banco mau’ em Portugal”, o que é salientado pelo analista Carlos Peixoto no Iberian Daily desta sexta-feira. Numa perspetiva de longo prazo, o mesmo analista diz que este mecanismo “deverá criar condições que permitem facilitar a recuperação e/ou venda de NPL“.

O memorando de entendimento para a criação da Plataforma de Gestão de Créditos Bancários, é um instrumento autónomo que “irá permitir uma maior coordenação entre os credores bancários, visando aumentar a eficácia e celeridade nos processos de reestruturação dos créditos e das empresas”, informaram os três bancos no documento que assinaram nesta quinta-feira. Esta plataforma só vai gerir créditos individuais acima de cinco milhões numa fase inicial, de acordo com o comunicado conjunto das três instituições. Mas os ativos geridos por esta plataforma independente vão permanecer no balanço dos bancos. De acordo com o memorando, outros bancos poderão no futuro associar-se voluntariamente a esta plataforma que será gerida por José Manuel Correia.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plataforma do malparado com impacto imediato “pouco relevante” no BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião