Pimco já vendeu as suas obrigações ao Novo Banco

Fundo de obrigações norte-americano aceitou fazer negócio com o Novo Banco e com o Morgan Stanley, este último responsável pela transformação dos depósitos bancários em títulos de dívida.

A Pimco já vendeu as suas obrigações ao Novo Banco, tendo inclusivamente transferido os depósitos para o veículo financeiro criado pelo norte-americano Morgan Stanley, sabe o ECO.

Aliás, o ECO apurou que grande parte dos investidores do autointitulado Comité de Credores acompanhou a decisão do grande fundo obrigacionista norte-americano e também já aderiu à proposta de recompra de dívida do banco de transição. Este grupo de grandes credores controlava mais de 30% das obrigações que o Novo Banco quer comprar a desconto através da oferta que termina no próximo dia 2 de outubro.

São boas notícias para o banco liderado por António Ramalho, que volta a reunir com os seus obrigacionistas esta sexta-feira. Vão ser votadas 12 linhas de obrigações que não foram ainda decididas por falta de quórum na primeira Assembleia Geral, realizada no início do mês.

O sucesso da operação ainda é incerto até porque as ordens de venda da parte dos investidores vão continuar a chegar ao Novo Banco até à próxima segunda-feira. Por outro lado, aos 500 milhões de euros em poupanças que banco tem de assegurar para que a venda ao Lone Star seja concretizada, será preciso juntar mais algumas centenas de milhões para cobrir os encargos que a instituição vai ter de assumir com os juros dos depósitos — o Jornal de Negócios estimava esse custo em 230 milhões.

Ou seja, só quando for conhecido o grau de aceitação da oferta de depósitos é que os responsáveis do Novo Banco farão as contas finais, sendo que os investidores podem aceitar a proposta de depósitos bancários para lá do dia 2 de outubro.

Além da forte participação dos grandes investidores, o ECO sabe que os investidores de retalho também aderiram massivamente, ajudando a abrir caminho ao êxito da operação. Havia incerteza em relação ao voto destes pequenos credores que detinham cerca de 40% do bolo total de 8,2 mil milhões de euros em obrigações (valor nominal), sobretudo depois de conhecida a decisão favorável da Pimco no início desta semana.

Se os responsáveis receavam que os pequenos investidores revogassem as suas ordens já depois de o Novo Banco ter garantido a aprovação a Pimco, e com isso evitando as perdas que estão implícitas na oferta, tal movimento de saída não se veio a verificar até esta quarta-feira, que foi quando terminou o período de revogação de ordens. Quem já deu ordem de venda já não pode voltar atrás.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pimco já vendeu as suas obrigações ao Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião