Inflação na zona euro estabiliza nos 1,5%

Depois de acelerar em agosto, a inflação dos países da moeda única estabilizou nos 1,5%.

A inflação continua aquém da meta do Banco Central Europeu. Segundo a estimativa rápida do Eurostat, divulgada esta sexta-feira, a inflação da zona euro fixou-se nos 1,5% em setembro, a mesma variação registada em agosto. Os preços da energia continuam a ser os principais motores da subida geral dos preços.

Excluindo os preços dos produtos energéticos e alimentares de setembro — a inflação subjacente, que é a que mais importa para o BCE — situou-se nos 1,3%. Os bens alimentares, o álcool e o tabaco avançaram 1,9%, seguidos de perto pelos preços dos serviços que subiram 1,5%.

O banco central tem como meta uma inflação perto, mas abaixo de 2%, tratando-se de uma taxa onde a estabilidade da economia está assegurada.

Em agosto, a inflação em Portugal tinha sido de 1,1%, abaixo da média registada na zona euro.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Inflação na zona euro estabiliza nos 1,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião