Medidas anti-terrorismo vão ser alargadas às cidades mais turísticas

  • ECO
  • 30 Setembro 2017

A ministra da Administração Interna ordenou a criação de um grupo de trabalho que irá estudar medidas de prevenção para ataques terroristas nas cidades portuguesas.

Para além de Lisboa, outras cidades do país vão adotar “medidas passivas” de prevenção contra ataques terroristas. A ministra da Administração Interna ordenou a criação de um grupo de trabalho é precisamente estudar medidas de prevenção para ataques terroristas e as cidades onde devem ser implementadas, avança o Diário de Notícias (acesso pago) este sábado. No foco das atenções estarão as cidades mais turísticas do país.

A intenção de criar este grupo foi confirmada ao diário pela porta-voz de Constança Urbano de Sousa. “Este grupo de trabalho que integra os órgãos de policia criminal tutelados pelo MAI, tem por objetivo o estudo e implementação de medidas de caráter preventivo, tendo por base a alteração do modus operandi dos autores de atos terroristas. Em causa está o estudo de medidas de segurança passiva como barreiras, floreiras ou iluminação, cuja implementação é da responsabilidade das autarquias”, respondeu.

O despacho terá sido assinado no início do mês, mas o gabinete da ministra não quis confirmar nem esse, nem outros detalhes sobre o plano em curso, como saber quais serão as primeiras cidades a ser alvo desta intervenção ou se o grupo de trabalho já reuniu. “Nada mais há a acrescentar”, foi respondido.

De acordo com o Diário de Notícias, o grupo de trabalho irá integrar a PSP, a GNR e as autarquias.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Medidas anti-terrorismo vão ser alargadas às cidades mais turísticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião