• Entrevista por:
  • Helena Garrido e Paula Nunes

“O Governo e o Banco de Portugal devem evitar tensões injustificadas”

Louçã desvaloriza o alerta do governador do Banco de Portugal e a reacção das Finanças sobre a independência dos bancos centrais. O que é preciso é concentrar a atenção na resolução dos problemas.

Foi uma “frase misteriosa, oráculo de Delfos”. Francisco Louçã, na entrevista ao ECO, sobre o mais recente conflito entre o Banco de Portugal e o Ministério das Finanças diz que a sua preocupação é que o Governo e o Banco de Portugal cumpram tranquilamente e competentemente as suas funções, porque os desafios são enormes. Devem evitar “alarme público” e “tensões injustificadas”. Eis a parte da entrevista em que falamos sobre as relações entre Mário Centeno e Carlos Costa.

O governador do Banco de Portugal disse que não é só em Portugal que se ameaça a independência dos bancos centrais. Que é a tentação do Tesouro. Que Tesouro é este? Qual a sua opinião sobre estas declarações?

Não dou muita importância nem a esse conflito, nem à resposta do ministério das Finanças, que foi muito rápida e muito incisiva. Porque, com franqueza, é uma frase misteriosa, é uma frase oráculo de Delfos. Porque é que havemos de perder muito tempo a procurar ler as intenções ou o significado esotérico que ela possa ter? O governador do Banco de Portugal está-se a aproximar do final do seu mandato. Procura defender a sua independência, como é natural, porque é o mandato que obteve. O banco navegou por águas difíceis ao longo dos últimos anos. Só espero que os próximos meses e anos sejam meses de solidez bancária, confiança dos depositantes, tranquilidade dos decisores.

E a reação do Ministério das Finanças: reacendeu-se o conflito com o Banco de Portugal?

Veremos. Espero que não, porque não merece tanto.

Quem é que não merece?

Portugal não precisa desse conflito. Temos outros assuntos que nos interessam.

Numa das entrevistas que deu na primavera disse que o governador não devia ser substituído.

O que eu disse foi que o Governo manifestou, e é muito público, a escolha de que ele não devia ser substituído. Portanto, o assunto está arrumado. Só o Governo pode tomar iniciativa nesse campo. O governador na minha opinião fez um acordo com o PSD, nas vésperas das eleições, para adiar ou ocultar o caso do Banif. E isso foi feito por razões políticas. É uma violação das regras do banco.

O governador na minha opinião fez um acordo com o PSD, nas vésperas das eleições, para adiar ou ocultar o caso do Banif. E isso foi feito por razões políticas. É uma violação das regras do banco.

Francisco Louçã

Está comprovado, esse acordo?

A ex-ministra Maria Luís Albuquerque deixou-o implícito ou explícito. Creio que hoje, em Portugal, não há nenhuma dúvida sobre isso. Maria Luís Albuquerque não deixou nenhuma dúvida sobre isso e Carlos Costa não deixou nenhuma dúvida sobre isso. E esse é um erro grave.

 

Maior do que aquele que Vítor Constâncio fez quando avaliou as contas públicas?

Mas isso é uma questão completamente diferente. É uma intervenção pública do governador, chamado a uma função extraterritorial em relação aos seus poderes para dirigir uma intervenção pública sobre as contas públicas. Vítor Constâncio teve a insensatez de o fazer em relação a um governo de direita e depois em relação ao governo Sócrates. Nos dois casos foi criticado. Mas é um assunto bastante diferente. Outra coisa é a execução das funções próprias do governador. Eu creio que ele errou. Agora, passado um tempo o Governo escolheu não invocar esse aspeto para qualquer efeito institucional. O assunto ficou arrumado e é o que eu repito: ficou arrumado.

Como explica este conflito entre Banco de Portugal e o Governo? É inédito, não tenho memória. Só me lembro do caso Braga de Macedo com Miguel Beleza e António Borges.

Que não foi pequeno, porque o governador demitiu-se nessa altura.

O nosso défice maior não é de quezílias. O nosso défice maior é de soluções estáveis, competentes, vigilantes. Até porque estamos a falar de uma matéria imensamente difícil, complexa, que exige mobilizar os melhores espíritos e capacidades em Portugal.

Francisco Louçã

Mas não teve a agressividade pública que este caso tem.

Não sou especialista da economia entre a agressividade pública e a agressividade privada. É um aspeto que não domino e não me interessa. Há alguma tensão entre o ministro das Finanças e o Governador. A minha única preocupação, e penso que é a de quem olha com atenção para o que se passa, é a de que o Governo e o Banco de Portugal devem cumprir tranquilamente e competentemente as suas funções. Devem evitar alarmes públicos. Devem evitar tensões injustificadas. É preciso muito mais esforço para que, em todos os níveis da gestão pública portuguesa, se possa impor o rigor que nos tem faltado ao longo dos anos. O nosso défice maior não é de quezílias. O nosso défice maior é de soluções estáveis, competentes, vigilantes. Até porque estamos a falar de uma matéria imensamente difícil, complexa, que exige mobilizar os melhores espíritos e capacidades em Portugal.

  • Helena Garrido
  • Paula Nunes
  • Fotojornalista

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“O Governo e o Banco de Portugal devem evitar tensões injustificadas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião