Catalunha: O referendo que pode fazer um rombo na economia

  • Marta Santos Silva
  • 1 Outubro 2017

Enquanto se jogam preocupações identitárias nas ruas catalãs, muitos investidores e empresários em certos setores têm ignorado o referendo deste domingo. Mas é melhor prestarem atenção.

No mercado imobiliário e mesmo nas bolsas, ninguém diria que vem aí um referendo que pode abalar a relação da Catalunha com o resto da Espanha, com a União Europeia e com o mundo. Muitos investidores estão a ignorar o plebiscito deste domingo, levando mesmo a Reuters a escrever que já decidiram: “apostam centenas de milhões de euros que vai ficar para a história como um falhanço pacífico”.

Porque escreve a agência estas palavras? Por um lado, os mercados mantém-se em altas, com o índice espanhol IBEX 35 a manter-se estável mesmo perante as disputas nas ruas catalãs, e por outro lado o mercado imobiliário está pacífico. “Neste momento, ninguém acredita que isto se transforme noutro país de um dia para o outro”, explicou à Reuters o consultor imobiliário Gerard Boix, da Sothebys International Realty, em Barcelona. “Este ano estamos a atingir recordes de vendas”.

"Neste momento, ninguém acredita que isto se transforme noutro país de um dia para o outro. Este ano estamos a atingir recordes de vendas.”

Gerard Boix

Consultor imobiliário da Sothebys International Realty

De acordo com a Reuters, embora se tenham visto quedas iniciais dos títulos de certas empresas com base na Catalunha, como a Caixabank e a Sabadell, e a farmacêutica Grifols, estas já recuperaram. Nos primeiros sete meses do ano, houve mais novas empresas registadas na Catalunha do que em qualquer parte da Espanha, e há apenas cinco meses a Nestlé anunciou um investimento de 37 milhões de euros para expandir uma fábrica na área. Até no tráfego de contentores no porto de Barcelona se viu um salto de 30% até agosto.

Mas e se as coisas não correrem como os investidores esperam? O economista da Universidade de Oxford Angel Talavera disse à Bloomberg que era melhor que prestassem mais atenção. “O dinheiro não gosta de incerteza”, disse Talavera à Bloomberg. “A certa altura os investidores vão acordar para a realidade de que poderá haver um impacto a mais longo prazo”.

Que tipo de impacto? Madrid antevê que a secessão leve a um colapso de 30% na economia catalã. A Catalunha é atualmente a mais próspera das regiões espanholas. Por isso, certos investidores e empresários já estão a tomar atenção, escreve o El País. Certas empresas decidiram esperar pelos resultados do referendo antes de fazerem certos investimentos. Ao jornal, escritórios de advogados confirmaram que certos investidores têm pedido relatórios de impacto sobre os possíveis resultados do referendo antes de tomarem decisões.

E onde se sente mais esta pressão é no turismo, acrescentou ao El País Bruno Hallé, da Magma Hospitality Consulting: “Os investidores abrandaram a construção de novos hotéis. Não a cancelaram, mas querem uma situação mais clara”.

Quais são as consequências?

“Se as grandes empresas tinham planos de contingência para o Brexit, o que nos faria pensar que não os têm agora na Catalunha?”, perguntou retoricamente ao El País o presidente da Câmara de Comércio dos Estados Unidos em Espanha.

As consequências de um “Sim” no referendo deste domingo e de uma possível separação futura da Catalunha seriam negativas, economicamente, tanto para Espanha como para a Catalunha, segundo o economista Alain Cuenca, da Universidade de Saragoça, que falou à CNBC. “O estabelecimento de uma fronteira resultaria em perda de emprego, rendimento e riqueza para todos, seja na Catalunha seja no resto da Espanha. Estas perdas seriam provocadas pelos obstáculos ao comércio, pelos problemas financeiros, pelas necessidades orçamentais do novo Estado”, exemplificou.

E a dívida pública da Catalunha — que não é insignificante nos seus 72,2 mil milhões de euros — também iria provocar problemas. Muitos acreditam que seria assumida pelo Reino de Espanha, mas pode não ser bem assim, e a separação da dívida é imprevisível. “O problema é a transição”, continuou Cuenca. “Durante quanto tempo durariam os problemas financeiros? Quantos empregos, quantos investimentos, quantas operações comerciais seriam perdidas na transição?”.

O economista Albert Banal-Estañol expressou ainda uma outra preocupação ao jornal norte-americano. “Se a Catalunha permanecesse parte da União Europeia, nada mudaria”, explicou. O problema é que nada garante que a Catalunha o possa fazer, e se sim pode ficar sujeita a um boicote durante um período de tempo indefinido.

“Os empresários poderão procurar outros mercados, como já fizeram no passado”, exemplificou. E mesmo o problema da moeda única teria de ser resolvido, sem que existam, para já, soluções nesse sentido.

No entanto, não é isso que se joga neste referendo. As preocupações económicas não são a prioridade dos eleitores. Cuenca resumiu-o: “Os argumentos usados por ambos os lados apelam à identidade”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catalunha: O referendo que pode fazer um rombo na economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião