Caixabank em silêncio sobre plano de contingência para referendo na Catalunha

  • ECO
  • 29 Setembro 2017

O banco dono do BPI recusa clarificar se entregou aos reguladores planos de contingência para superar cenários extremos a partir do referendo deste domingo.

O referendo à independência da Catalunha do próximo domingo elevou o nível de alerta de empresas, investidores e casas de investimento, face ao impacto que o respetivo resultado pode ter. O CaixaBank, dono do BPI, é o ativo catalão mais relevante da Catalunha e por isso um dos mais expostos aos riscos que daí possam resultar. Mas o banco liderado por Gonzalo Gortázar recusa clarificar se já entregou aos reguladores planos de contingência para sobreviver aos cenários mais extremos que se possam colocar a partir do referendo, avança o Público (acesso pago).

O CaixaBank não comenta temas políticos“. Esta foi a resposta que o banco catalão deu ao jornal português quando questionado sobre se já se dotou de planos de contingência e se estes contemplam medidas de apoio ao BPI; se os entregou aos reguladores e se o banco admite mudar a sua sede de Barcelona para outra região de Espanha.

A questão é pertinente tendo em conta o “peso” que o Banco catalão tem em Espanha, mas também a presença que tem em Portugal. Trata-se do ativo mais relevante da Catalunha e o maior banco de retalho de Espanha, bem como dono do BPI, cuja liquidez é gerida em articulação com a do banco catalão.

Quem excluiu imediatamente a hipótese de deslocalização do CaixaBank para fora da Catalunha, em caso de secessão, foi Adrià Alsina, “por não ter lógica”. O porta-voz da Assembleia Nacional da Catalunha, prestou declarações ao Público na qualidade de professor universitário e de ativista do movimento independentista, tendo defendido que, “havendo dois Estados, o espanhol e o catalão, nada mudará para o CaixaBank”, que “manterá a licença bancária para operar no resto de Espanha, mas passará a responder perante o banco central da Catalunha” e o Banco Central Europeu. E concretizou: “A situação é contrária à do Santander, que manterá a sede em Espanha, mas terá licença bancária para trabalhar na Catalunha.”

Certo é que as casas de investimento têm emitido algumas notas onde colocam o CaixaBank no centro e que levaram a uma onda de recomendações “sem precedentes” de afastamento do título CaixaBank, com a Redburn e a Goldman Sachs a avisarem que “a entidade financeira catalã deixou de ser uma opção de compra”, refere o Público, citando o Expansión.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixabank em silêncio sobre plano de contingência para referendo na Catalunha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião