Carlos Costa corrige interpretações sobre a Plataforma do malparado

O governador do banco de Portugal enviou uma nota às redações a esclarecer que "a solução seguida é da responsabilidade dos bancos e corresponde a uma das vias preconizadas pelo Banco de Portugal".

O governador do Banco de Portugal alertou que se o sistema bancário português tiver de recorrer “a qualquer modelo de externalização da venda de ativos que não geram rendimento” vai ser bastante penalizado. Mas Carlos Costa não estava a falar da nova plataforma que vai ser criada até afinal do ano para resolver o problema do crédito malparado nos bancos, como foi interpretado pela Agência Lusa, mas antes da “valorização dos NPL” e a eventual criação de um ‘bad bank’.

Carlos Costa, na Conferência de Homenagem a Medina Carreira, realizada na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa na quinta-feira, explicou que “uma das questões que distingue bastante os países da União Europeia que participam na união bancaria é a eficácia do sistema em matéria de execução dos créditos quando entram em incumprimento.” E acrescentou: “Vai ser esse um dos fatores que vai seguramente penalizar bastante o sistema bancário português se tiver de recorrer a qualquer modelo de externalização da venda de ativos que não geram rendimento”.

Horas mais tarde, o Banco de Portugal enviou uma nota às redações a explicar que o governador, nestas afirmações, se referia “à valorização dos NPLs e que não tem nada a ver com a solução seguida”. A mesma nota acrescentava ainda que “o Banco de Portugal considera que a solução seguida é da responsabilidade dos bancos e corresponde a uma das vias preconizadas pelo Banco de Portugal”.

O Banco de Portugal considera que a solução seguida é da responsabilidade dos bancos e corresponde a uma das vias preconizadas pelo Banco de Portugal.

Banco de Portugal

Em causa está uma plataforma que pretende reduzir para um terço o tempo médio de reestruturação dos créditos não performantes, para seis meses, só vai gerir créditos acima de cinco milhões de euros, numa fase inicial, só vai financiar empresas viáveis e para já arranca com os créditos do BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos.

(Notícia corrigida às 14h38 com nova informação do governador do Banco de Portugal).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carlos Costa corrige interpretações sobre a Plataforma do malparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião