Frente Comum: programa de precários poderá servir para “despedir trabalhadores”

  • Lusa
  • 2 Outubro 2017

A estrutura sindical da CGTP liderada por Ana Avoila alerta para o facto de o PREVPAP se possa tornar num "instrumento para despedir" e não para integrar.

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública defendeu esta segunda-feira que o programa de regularização dos precários do Estado pode tornar-se num mecanismo para “despedir trabalhadores”. O programa de regularização dos precários do Estado (PREVPAP) “ameaça tornar-se num instrumento, não para integrar, mas para despedir trabalhadores”, avança, em comunicado, a estrutura sindical da CGTP liderada por Ana Avoila.

Em causa está a norma prevista na proposta de lei do PREVPAP que estabelece a cessação do vínculo para os trabalhadores precários que não se candidatarem ao programa dos precários, com vista à sua integração nos quadros.

O diploma é discutido e votado na terça-feira no parlamento, no grupo de trabalho, e PS, Bloco de Esquerda e PCP apresentaram propostas de alteração. Mas, segundo disse Ana Avoila à Lusa, a proposta do PS não contempla o fim da norma em causa, ao contrário das restantes. “O Governo e o PS continuam a defender, para os que não concorrerem, o despedimento imediato”, sublinha a Frente Comum.

Os sindicatos da Frente Comum reúnem-se na terça-feira e, após o encontro, Ana Avoila irá anunciar em conferência de imprensa “as ações de luta a desenvolver” pela estrutura sindical.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Frente Comum: programa de precários poderá servir para “despedir trabalhadores”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião