Juncker diz que UE não pagará fatura do Brexit

  • ECO
  • 3 Outubro 2017

Juncker já tinha assinalado a necessidade de um milagre para que as negociações avancem. O presidente da Comissão Europeia elogia abertura de May, mas exige mais do que palavras.

A União Europeia reiterou, esta terça-feira, que permanecem “grandes divergências” nas negociações em torno do ‘Brexit’, designadamente sobre a “fatura” a pagar pela saída do Reino Unido, rejeitando que a mesma seja paga pelos contribuintes dos restantes 27 Estados-membros.

Na abertura de um debate no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, sobre o estado das negociações entre UE e Reino Unido para a concretização do ‘Brexit’, tanto o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, como o negociador-chefe da União, Michel Barnier, saudaram o recente discurso da primeira-ministra britânica Theresa May, em Florença, por ter mostrado maior “abertura”, mas apontaram que palavras não bastam e sublinharam as diferenças que subsistem ao fim de seis meses e quatro rondas de negociações.

“Estou satisfeito por a primeira-ministra May e a sua equipa terem reconhecido que o Reino Unido tem obrigações financeiras que deve respeitar. Contudo, o diabo está como sempre nos detalhes, e os contribuintes da UE 27 não devem pagar pela decisão britânica”, advertiu o presidente da Comissão Europeia.

Juncker comentou que o discurso proferido por May em Florença a 22 de setembro passado “foi conciliatório, mas discursos não são posições negociais e resta muito trabalho pela frente”.

“Ainda não fizemos progressos suficientes” a nível dos termos do “divórcio” para se poder avançar para discussões sobre as relações futuras, reiterou o presidente do executivo comunitário.

Jean-Claude Juncker reconheceu que foram realizados “bons progressos a nível dos direitos dos cidadãos”, mas ressalvou que “o indispensável papel do Tribunal de Justiça da UE para garantir esses direitos ainda tem que ser acordado”.

Também Barnier saudou a “abertura” manifestada por May no seu discurso, mas sublinhou que permanecem “divergências sérias, em particular sobre o acordo financeiro”.

“Sobre essa questão, as coisas são simples: não aceitamos pagar a 27 o que foi decidido a 28, é tão simples quanto isso. Os cidadãos não têm que pagar a consequência de uma decisão que não tomaram. Nem mais, nem menos do que isso”, declarou, sendo aplaudido pela assembleia.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Juncker diz que UE não pagará fatura do Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião