Theresa May quer parceria criativa e ambiciosa com a Europa

Em Florença, a chefe do governo britânico falou sobre as negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia e assinalou a vontade de manter a proximidade económica e estratégica com a Europa.

O Reino Unido está a sair da União Europeia, não a voltar-lhe as costas, garantiu, esta sexta-feira, Theresa May, num discurso proferido em Florença, Itália, sobre o Brexit. A primeira-ministra britânica deixou clara a vontade de manter a cooperação económica e estratégica com a Europa. May apelou à criatividade e ambição no desenho da nova parceria.

Segurança, migração e economia foram os principais tópicos da intervenção da chefe do governo britânico que pediu um período de transição de dois anos após a saída do Reino Unido da União Europeia.

1. Parceria económica criativa

Há boas razões para o Reino Unido estar otimista, explicou Theresa May. Os britânicos, diz a chefe do governo, são o maior parceiro comercial da União Europeia e é a Europa, por sua vez, a maior parceira comercial do Reino Unido. É, portanto, do interesse de todos encontrar uma parceria criativa que promova a prosperidade de ambos, realçou.

“Uma nova parceria económica criativa, abrangente, sublinhada por elevados padrões e com uma abordagem prática à regulamentação” é, por isso, a proposta da primeira-ministra britânica.

Theresa May enfatizou, ainda, a importância dos valores comuns do Reino Unido e da União Europeia, como o comércio livre e a concorrência, na construção de um novo projeto. A chefe do governo britânico comprometeu-se, também, a evitar fricções nas fronteiras.

“Queremos trabalhar em conjunto com a União Europeia, não afastados dela”, destacou a responsável. O Reino Unido está, portanto, interessado numa parceria estreita em termos económicos com a Europa.

2. Unidos pela segurança da Europa

O Reino Unido está comprometido de forma incondicional com a União Europeia”, disse Theresa May em relação às matérias de segurança e luta contra o terrorismo. A primeira-ministra garantiu que é do interesse do Reino Unido manter a aliança e trabalho sobre “questões que podem ser de vida ou de morte”.

May apelou ainda a um diálogo constante baseado na crença histórica na paz, Estado de direito e democracia partilhada pelo Reino Unido e União Europeia. “É a nossa ambição trabalhar de forma estreita com a UE para proteger os nossos povos”, sublinhou.

Um acordo único em termos de profundidade e aberto a parcerias dinâmicas para melhorar a segurança de toda a Europa foi o desejo expresso pela chefe de governo, em Florença.

3. Reino Unido valoriza imigrantes

Desde o referendo de 23 de junho de 2016 (em que a saída da União Europeia conquistou a vitória) que a incerteza passou a fazer parte do dia-a-dia dos imigrantes a viver, no Reino Unido.

“Queremos que fiquem, valorizamo-vos e agradecemos o vosso contributo para a vida nacional”, declarou Theresa May sobre esses cidadãos. A primeira-ministra britânica assegurou que uma das prioridades no processo de Brexit é a garantia dos direitos dos trabalhadores.

A 29 de março de 2019, o Reino Unido deixa, oficialmente, de ser membro da União Europeia.

(Notícia atualizada às 16h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Theresa May quer parceria criativa e ambiciosa com a Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião