Ryanair na mira da Autoridade Nacional da Aviação Civil

  • ECO e Lusa
  • 3 Outubro 2017

Primeiro a reguladora britânica, agora a autoridade nacional está de olhos postos no comportamento da Ryanair. A ANAC pretende apurar eventuais violações aos direitos dos passageiros.

As autoridades nacionais estão de olhos postos nos recentes cancelamentos da Ryanair. A Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) encontra-se atualmente a inspecionar os aeroportos de Porto, Lisboa e Faro, na sequência de falhas nas escalas dos pilotos da companhia aérea, que levou ao cancelamento de centenas de voos. A notícia é avançada esta terça-feira pelo jornal Público (acesso condicionado).

Embora a Ryanair informe que está a respeitar todos os regulamentos, a reguladora nacional explica à mesma fonte que as inspeções vêm tentar salvaguardar os direitos dos passageiros em matérias de reembolsos e reencaminhamentos. Depois de ter cancelado, de forma inesperada, 2.100 voos entre meados de setembro e finais de outubro, atingindo 315.000 clientes, a Ryanair anunciou em 27 de setembro novos cancelamentos de voos entre novembro deste ano e março de 2018 que podem atingir quase 400.000 clientes.

A ANAC emitiu no passado dia 19 um comunicado a disponibilizar um serviço de receção de queixas. No entanto, ainda não foi possível apurar quantas reclamações chegaram ao regulador. Já a Direção-Geral do Consumidor conta que já recebeu seis pedidos de informação, e o Centro Europeu do Consumidor em Portugal registou, “a receção de quatro pedidos de informação de consumidores, e de duas reclamações”, cita o Público. Já a DECO recebeu mais de 300 queixas em menos de uma semana.

Já na semana passada a Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido avançou com uma investigação à Ryanair, também no sentido de determinar se a companhia infringiu os direitos dos clientes.

A transportadora aérea irlandesa anunciou esta terça-feira que transportou 11,8 milhões de passageiros em setembro, mais 10% do que no período homólogo, apesar do cancelamento de voos. Segundo um comunicado, o índice de ocupação subiu dois pontos percentuais para 97%, o que, refere, foi sustentado pela adoção de tarifas mais baixas. A Ryanair informou ainda que nos últimos 12 meses terminados em setembro transportou um total de 127,3 milhões de passageiros, mais 12% do que no mesmo período precedente.

Kenny Jacobs, diretor de marketing da Ryanair, sublinhou que estes “números incluem os 2.100 voos cancelados durante os meses de setembro e outubro” e que a empresa já concluiu “os reembolsos ou remarcações de 98% dos clientes afetados nestes dois meses”. Em relação aos restantes 2% dos clientes afetados pelo cancelamento de voos, Kenny Jacobs disse que estes ainda não contactaram a transportadora.

Mais uma vez, no comunicado, a companhia aérea low cost pede “as mais sinceras desculpas aos clientes pelos cancelamentos que muito lamenta”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair na mira da Autoridade Nacional da Aviação Civil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião