Aviação Civil do Reino Unido investiga Ryanair por cancelamentos de voos

  • Lusa
  • 28 Setembro 2017

O cancelamento de milhares de voos ao longo dos meses que aí vêm despertou alarmes na Aviação Civil do Reino Unido, que vai investigar se os direitos dos clientes foram respeitados.

A Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido (CAA) informou hoje que iniciou uma investigação para determinar se a Ryanair infringiu os direitos dos clientes, depois do cancelamento de milhares de voos durante os próximos meses.

A CAA sublinhou, num comunicado, que tomou esta decisão porque a transportadora irlandesa continua “a enganar de forma persistente” os seus clientes sobre os seus direitos perante os cancelamentos e, por isso, está supostamente a violar a legislação britânica.

No final deste processo, que poderá tardar cerca de sete dias, a CAA pode adotar, “se considerar necessário”, ações legais contra a Ryanair, que se mostrou disposta a cooperar com este regulador. “Nós já respeitamos toda a legislação EU261 (da União Europeia), reunir-nos-emos com a CAA e cumpriremos plenamente quaisquer requerimentos que nos imponham”, indicou a transportadora líder low cost (de baixo custo) na Europa.

O responsável máximo da CAA, Andrew Hains, afirmou hoje que está “furioso” com a atitude da Ryanair em relação aos clientes, apesar de considerar improvável que esta disputa acabe nos tribunais.

“Estas coisas podem-se resolver facilmente e eles (Ryanair) preferem não o fazer. As pessoas não têm de escolher entre voos baratos e direitos legais”, explicou Hains à cadeia britânica BBC.

A transportadora irlandesa ‘low cost’ anunciou na quarta-feira que ia deixar de operar 25 dos 400 aviões que compõem a sua frota entre novembro e março de 2018, provocando o cancelamento de cerca de 18.000 voos de 34 rotas e afetar cerca de 400.000 clientes.

A Ryanair explicou que com estas medidas pretende eliminar o risco de mais cancelamentos, depois de em 15 de setembro ter anunciado a suspensão de 2.100 voos durante seis semanas devido a uma falha na distribuição das férias dos pilotos.

Todos os passageiros afetados, recordou hoje a CAA, têm direito a que a Ryanair lhes procure uma rota alternativa noutra companhia se esse serviço não estiver disponível na transportadora irlandesa. O regulador britânico também indicou que a Ryanair não ofereceu informação adequada aos seus clientes sobre a sua obrigação de pagar gastos adicionais provocados pelos cancelamentos ou mudanças de rota. Estes gastos extra incluem refeições, hotéis e custos de deslocação, sublinhou a CAA.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aviação Civil do Reino Unido investiga Ryanair por cancelamentos de voos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião