O que se passa com a Ryanair? O Twitter explica

  • Rita Frade
  • 20 Setembro 2017

A Ryanair, empresa de aviação low-cost, continua a dar que falar, sobretudo, nas redes sociais. O que será que o Twitter tem a dizer sobre o assunto?

A Ryanair tem sido um dos temas de destaque da semana, devido ao número avultado de voos que planeia cancelar até ao final de outubro (só em Portugal vão ser canceladas 346 ligações de e para Portugal).

Como seria de esperar, os “#lesadosdaryanair” têm aproveitado as redes sociais para manifestar o seu desagrado. Mas, afinal, o que levou a empresa de aviação low-cost a cancelar tantos voos? O Twitter explica.

De acordo com o presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, o cancelamento de voos nas próximas semanas não está relacionado com a falta de pilotos, mas sim com um “erro” na distribuição de férias dos mesmos.

O problema é que agora, para poderem voltar a remarcar a viagem, os passageiros estão a ser obrigados a pagar as taxas que já tinham sido pagas ao comprarem o bilhete pela primeira vez. Há ainda clientes a queixarem-se do facto de a Ryanair estar a marcar lugares separados a clientes que, inicialmente, iam juntos, tendo estes, mais uma vez, de voltar a pagar para ficar nas mesmas posições.

A boa notícia é que, à partida, mais de metade dos clientes da Ryanair terá voo remarcado até ao final do dia de hoje. De qualquer forma, apesar de todo o caos e danos causados pela empresa, há quem não deixe de brincar com a situação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que se passa com a Ryanair? O Twitter explica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião