Como a má gestão das férias da Ryanair trocou as voltas às suas

Daqui até ao final de outubro, a Ryanair vai cancelar mais de dois mil voos. Deixamos cinco perguntas e respostas para perceber o que se passa.

A partir desta quinta-feira, 21 de setembro, e até ao final de outubro, a Ryanair vai cancelar mais de dois mil voos, por não ter pilotos suficientes para operá-los. Em causa, uma má gestão das férias dos pilotos, que acabaram por ficar muito concentradas num espaço de seis semanas.

O que está em causa?

Há dois fatores que explicam a necessidade de cancelar voos: férias e limitações ao tempo de voo dos pilotos. No primeiro caso, o que aconteceu foi uma má gestão. Este ano, a Ryanair impôs que as férias dos pilotos e pessoal de bordo só poderiam ser tiradas em nove meses do ano — de fora ficavam os meses de verão. A falta de organização acabou por levar ao caos que a Ryanair atravessa agora:

Fizemos asneira com a marcação de férias, tentando concedê-las em setembro e outubro, numa altura em que ainda estamos a operar a maioria do horário de verão”, admitiu Michael O’Leary, o presidente executivo da companhia irlandesa. Ou seja: se nos meses de verão a Ryanair estava até com excesso de pilotos, porque estes não puderam tirar férias, uma boa parte deles acabou por tirar férias num período muito concentrado de seis semanas.

Por isso, a Ryanair tentou pagar aos pilotos para abdicarem destas férias. Mas não só os pilotos não aceitam a proposta, como, mesmo que quisessem fazê-lo, em muitos casos, estão legalmente impedidos. Isto porque as limitações ao tempo de voo preveem que um piloto só possa voar um máximo de 100 horas em 28 dias, o equivalente a 900 horas num ano civil.

A solução proposta para os pilotos

Para evitar situações semelhantes no futuro, a Ryanair propôs pagar aos pilotos um bónus anual de 12 mil euros e um bónus de seis mil euros aos copilotos. Em troca, pedem que os trabalhadores abdiquem de dez dias de descanso no próximo ano, o que levará a que voem um total de 800 horas.

A maioria dos pilotos, escreve o Irish Independent, deverá rejeitar esta proposta.

Quais os voos afetados?

Sem pilotos suficientes, e com a justificação oficial de querer melhorar a pontualidade, a Ryanair vai cancelar 40 a 50 voos por dia até ao final de outubro. Ao todo, são cerca de 2.000 voos, dos quais 346 são de e para Portugal. Por cá, Lisboa e Porto são os aeroportos mais afetados. É o aeroporto Francisco Sá Carneiro que se sentirá o maior impacto. “Há um volume de cancelamentos no Porto superior ao resto do país uma vez que esta é uma das nossas maiores bases Europeias e este acabou por ser um dos critérios na seleção de rotas a cancelar, já que nos permite oferecer mais alternativas de voos”, justifica fonte oficial da Ryanair.

O que acontece aos passageiros?

A Ryanair dá conta de que “todos os passageiros afetados já foram contactados por email ou SMS, de forma a conhecer as suas opções de reembolso ou remarcação de voo, sempre com possibilidade de compensação, ao abrigo da norma EU261”.

São essas as opções: remarcar, cancelar e pedir o reembolso ou pedir uma indemnização.

No caso de quererem remarcar, como noticia esta quarta-feira o Jornal de Notícias (acesso pago), os passageiros estão a ser obrigados a pagar de novo taxas de bagagem e de marcação de lugares, que já tinham sido pagas para os voos que foram cancelados. A Ryanair esclarece, contudo, que isso se deve a um “erro de sistema” e que estes clientes podem pedir o reembolso destas taxas.

Quanto é que a Ryanair vai pagar por isto?

Entre reembolsos, indemnizações e taxas aeroportuárias, o cancelamento destes voos vai ter um custo considerável para a Ryanair. A companhia aérea prevê um impacto financeiro de cerca de 25 milhões de euros, dos quais cerca de 20 milhões relativos apenas a compensações aos passageiros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como a má gestão das férias da Ryanair trocou as voltas às suas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião