Ryanair cancela 25 voos de Portugal em três dias, e vêm aí mais

  • Marta Santos Silva
  • 18 Setembro 2017

A empresa de aviação low-cost planeia cancelar 2.000 voos até ao final de outubro. A Comissão Europeia pediu que os direitos dos passageiros sejam respeitados, e a Deco explica como ser indemnizado.

Só entre esta segunda e quarta-feira, 25 voos da Ryanair vão ser cancelados a sair de Portugal, dos quais 20 saem do Aeroporto Sá Carneiro, com os restantes cinco a partir de Lisboa ou Faro. Os voos cancelados fazem parte de um projeto da Ryanair de cancelar cerca de dois mil voos até ao final do mês de outubro. A lista completa dos voos cancelados até ao final de outubro será divulgada ainda esta segunda-feira.

Inicialmente a empresa afirmou tratar-se de uma decisão motivada por uma maior produtividade, para procurar reduzir os atrasos, já que a pontualidade tinha decrescido 10% em setembro. No entanto, num comunicado, o presidente da Ryanair, Michael O’Leary, explicou esta segunda-feira que a Ryanair “fez mal a alocação de férias anuais para os pilotos de setembro e outubro”. “Estamos a tentar alocar uma licença de um ano inteiro num período de nove meses. (…) Esta é uma confusão que nós criámos. Peço desculpa a todos os nossos clientes por qualquer preocupação que isto lhes tenha causado este fim de semana”, acrescentou.

No comunicado, a Ryanair sublinhou que os cancelamentos das próximas seis semanas só vão afetar 98% dos clientes, mas confirmou que entre esta segunda-feira e terça-feira vai publicar no seu site a lista dos voos que vão ser cancelados. Porto e Lisboa estão entre os aeroportos mais afetados, escolhidos “devido à alta frequência de voos da Ryanair (…) de maneira a que os clientes possam receber ofertas melhores”.

Comissão Europeia apela ao “respeito”

A Comissão Europeia pediu hoje à Ryanair para “respeitar plenamente” os direitos dos passageiros. “Graças à União Europeia, todos os passageiros cujos voos foram anulados têm um conjunto de direitos no Direito Europeu”, declarou esta segunda feira Violetta Bulc, comissária com o pelouro dos Transportes. “Isso inclui o direito ao reembolso, ao reencaminhamento ou a um voo de regresso, bem como o direito a assistência e, em determinadas circunstâncias, o direito a indemnização”, referiu Bulc em comunicado.

“Estamos em contacto com a Ryanair e esperamos que respeitem plenamente esses direitos”, adiantou a comissária europeia, sublinhando que “as autoridades nacionais são responsáveis pela sua aplicação”.

Deco relembra que há direito a indemnização

A associação Deco alerta os passageiros da Ryanair do direito a indemnizações até aos 400 euros por viagem cancelada, além do reembolso ou remarcação da viagem e refeições/alojamento, e apela à intervenção do regulador da aviação.

O aviso para Portugal na página de internet da transportadora aérea não faz referência ao direito a qualquer compensação pelo cancelamento e mostra apenas duas soluções aos passageiros prejudicados: solicitar o reembolso, a processar em sete dias úteis, ou alterar o voo cancelado de forma gratuita, mas sujeito a disponibilidade de lugares. Paulo Fonseca, jurista da associação de defesa dos direitos dos consumidores Deco, acusa a transportadora de esconder outros direitos dos passageiros de voos cancelados, como o direito a uma indemnização, entre os 250 e os 60 euros consoante os quilómetros percorridos, embora para voos europeus o valor máximo seja 400 euros.

“Os passageiros podem ou solicitar o reembolso do bilhete, ou ir no voo logo que possível, mas tem sempre direito à assistência (refeições, bebidas, chamada telefónica, alojamento) e à indemnização”, afirmou o jurista, lembrando que as regras são aplicadas a todas as empresas que voam no espaço comunitário e só têm como exceções situações imprevisíveis para as transportadoras aéreas, como um furacão, guerra ou ato de terrorismo.

O jurista lembra ainda a publicidade lançada em Portugal há sete dias pela companhia, denominada “escapadinhas de outono”, e que anunciava 200 destinos a um preço de 14,99 euros. “Como pode uma empresa anunciar 200 destinos se ao mesmo tempo vai cancelar centenas de voos invocando a necessidade de descanso do pessoal de bordo pelos voos a mais que têm sido efetuados”, critica a associação.

A Deco questiona ainda o que tem feito o regulador da aviação, a ANAC – Autoridade Nacional da Aviação Civil, face ao “incumprimento do regulamento” comunitário, que gera responsabilidade contraordenacional, lembra a associação. “Vamos contactar a ANAC para saber que procedimentos estão a ser abertos pela violação clara dos direitos dos passageiros”, concluiu, lembrando que para os passageiros receberem a indemnização têm de fazer uma reclamação junto da companhia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair cancela 25 voos de Portugal em três dias, e vêm aí mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião