Tancos: Governo “fez o que devia ser feito e num tempo muito curto”

  • Lusa
  • 18 Setembro 2017

O ministro da Defesa disse que o Governo "fez o que devia ser feito e num tempo muito curto" em relação ao roubo em Tancos. Acrescentou ainda que foram abertos três processos.

O ministro da Defesa sustentou esta segunda-feira que o Governo “fez o que devia ser feito e num tempo muito curto” na sequência do furto no paiol de Tancos e revelou que foram abertos três processos disciplinares no Exército.

Numa intervenção no debate de atualidade no plenário da Assembleia da República, Azeredo Lopes não respondeu a perguntas dos deputados para que esclarecesse as suas afirmações numa entrevista na qual disse que “no limite, pode não ter havido furto“, aludindo à ausência de provas.

“Em síntese, e sem prejuízo de críticas legítimas, o Governo fez o que devia ter feito e num tempo muito curto“, disse, no final de uma intervenção em que revelou que o Exército abriu “três processos disciplinares” e que o esvaziamento dos paióis nacionais de Tancos começou no passado dia 14, com a colaboração da PSP e da GNR. Mário Centeno, Ricardo Mourinho Félix e Carlos Tavares na apresentação da proposta de reforma da supervisão.

Os processos disciplinares foram abertos pelo Regimento de Infantaria n.º 1, que tinha a responsabilidade da guarda dos paióis na altura, na sequência do processo de averiguações interno.

Quanto às perguntas dos deputados do PSD e do CDS-PP sobre “o que se sabe e o que não se sabe” relativamente ao “furto de material militar” em Tancos, Azeredo Lopes insistiu que “são do domínio da autoridade judiciária competente” e que “o inquérito encontra-se em segredo de justiça”.

“Por muito que se insista, este apuramento não pode ser substituído por processos de averiguações, que têm um objeto e função diferentes”, declarou, citando, em seguida declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no passado dia 4 de setembro, em que se manifestou preocupado com o tempo das investigações.

O ministro da Defesa adiantou que foram decididos “investimentos imediatos” na sequência da avaliação das condições de segurança das instalações de armazenamento de material, nomeadamente, um milhão de euros nos paióis de Santa Margarida e 500 mil euros em 16 unidades do Exército.

Quanto a medidas “a médio e longo prazo”, o ministro da Defesa adiantou que determinou, através de despacho, várias medidas, destacando a criação de um “sistema de informação comum para controlo efetivo de material sensível, que garanta a informação necessária e o controlo de acesso a informação”.

Azeredo Lopes sublinhou que os relatórios que lhe foram entregues pelos ramos e pela Inspeção de Defesa Nacional foram classificados como “secretos” por “quem os realizou” e não pelo ministério, invocando “matérias sensíveis de âmbito de Segurança Nacional aí tratadas”.

A violação dos perímetros de segurança dos Paióis Nacionais de Tancos e o arrombamento de dois ‘paiolins’, e o desaparecimento de granadas de mão ofensivas e munições de calibre nove milímetros foram divulgados pelo Exército no dia 29 de junho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tancos: Governo “fez o que devia ser feito e num tempo muito curto”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião