Bolsa abre em queda arrastada pela energia

Lisboa acompanha as quedas das principais praças europeias. Está a ser penalizada pela EDP, que está a cair há sete sessões consecutivas.

A praça lisboeta chegou a abrir em alta esta quarta-feira, mas já inverteu os ganhos e segue agora em queda ligeira. A subida expressiva da Mota-Engil não está a ser suficiente para compensar as perdas do setor energético, numa altura em que o petróleo desvaloriza nos mercados internacionais.

O PSI-20 segue a cair 0,14%, para os 5.432,16 pontos, com 12 cotadas em queda e seis em alta. A penalizar a bolsa está a EDP, que já cai há sete sessões consecutivas e recua agora 0,74%, para os 3,07 euros por ação. Isto depois de o HSBC ter cortado a recomendação da energética de “buy” para “hold”, além de ter reduzido o preço alvo de 3,50 para 3,40 euros.

Ainda na energia, a Galp recua 0,5%, para os 14,88 euros por ação, numa altura em que o petróleo está a cair mais de 0,5 nos mercados internacionais. O barril de brent, que serve de referência para o mercado português, negoceia na casa dos 55 dólares.

Também a penalizar a bolsa está o BCP, que perde 0,24%, para os 24,44 cêntimos por ação.

A impedir maiores quedas está a Mota-Engil, que prolonga os ganhos dos últimos dias e renova máximos de mais de um ano. A construtora está a subir 1,82%, para os 3,35 euros por ação, e já acumula uma valorização superior a 5% desde o início deste mês.

O dia também está a ser negativo no resto da Europa, com as principais praças europeias a negociarem no vermelho. Destaque para o Ibex 35, que continua a ser penalizado pela instabilidade política em torno da Catalunha e recua 0,6%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa abre em queda arrastada pela energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião